Cervejas

Bohemia Escura

imagem1.jpg

Empresa: Ambev

Tipo: Schwarzbier

Teor Alcoólico: 5,0 %

Preço Médio: R$ 2,00 / long neck 355 ml

Lançada claramente para competir com a cerveja escura premium da rival FEMSA, a Xingu, assim como a Brahma Extra serve para fazer frente à Kaiser Gold, o que noto é uma dupla derrota da Ambev nesta disputa.

A Bohemia Escura é uma schwarzbier que perde quase em todos os pontos para a concorrente: é menos encorpada, e seu aroma, sua espuma, seu sabor e retrogosto são claramente inferiores, sendo menos complexa e menos equilibrada.

Ainda assim, em alguns momentos – depende da data de fabricação do exemplar que você pegou, do tipo de copo utilizado, da temperatura, etc – consegue ser um exemplar digno, não ficando tão atrás. Muito papo pra pouca cerveja.

Nota Final: 1,7/5

Padrão
Cervejas

Bohemia Pilsen

bohemia1.jpg

Empresa: Ambev

Teor Alcóolico: 5,07 %

Tipo: Pilsener

Preço Médio: R$ 2,80 / 3,50 garrafa 600 ml

Primeira cerveja standart avaliada aqui no blog. Dentre as pilsen brasileiras para o grande mercado (Kaiser, Brahma, Antarctica, Skol, Sol, Nova Schin, etc…), é a que sempre teve uma melhor imagem, pela tradição de ser a cerveja mais antiga do país e por vender o conceito de ter ingredientes melhores e mais selecionados, mantendo a mesma fórmula desde o seu início, em 1853.

Contudo, como o próprio site ressalta…”no início de sua fabricação, a cerveja Bohemia tinha características de uma cerveja estilo alemã: amarga e forte.” Mas…“com o decorrer dos anos, seu sabor passou a adquirir as características de outras marcas existentes: mais leve, suave e menos amarga, atingindo o padrão tradicional de qualidade dos dias atuais.”

Traduzindo…ela foi gradativamente adaptada ao mercado nacional, ao “gosto” do consumidor, tornando-se mais uma cerveja dentre tantas. E, recentemente, numa estratégia da Ambev, que barateou o preço da Bohemia – pelo menos em muitos bares de Belo Horizonte este “fenômeno” pode ser sentido – suas características parecem também cada vez mais cair na vala comum das pilsen brasileiras, com pouquíssimas diferenças entre elas.

Mesmo nesta mediocridade, a Bohemia ainda se destaca pelo amargor levemente maior que as demais, mas perdeu em aroma e sabor. Permanece como uma boa opção entre as “normais”, contudo, já não é tão capaz de se distinguir entre tantas marcas disponíveis. O que não acontece em sua linha premium, a Weiss, a Escura e a Confraria, que serão comentadas aqui, cervejas bem superiores a esta Pilsen tradicional, especialmente esta última.

Nota Final: 1,8/5

Padrão