Filmes

Revista Movie 9 nas bancas

Chamada básica para a nova edição da minha querida Movie: a edição número 9 chega nas bancas de todo o Brasil agora em setembro. Minha contribuição fica por conta de uma crítica de “O Segredo Dos Seus Olhos”, do Juan José Campanella, vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, chegando em DVD. Apesar de falho, o filme tem qualidades intrínsecas à obra de Campanella que me agradam bastante. Além da presença sempre fortíssima de Ricardo Darín, provavelmente o maior ator do cinema latino contemporâneo. Se ainda não viu a película, aproveite a oportunidade.

No mais, produzi também um guia com breve comentários sobre os filmes que estreiam nos próximos 2 meses. Tem coisa boa pra vir. E ainda que você não se interesse por Harry Potter (como eu), as outras chamadas são motivos suficientes para uma olhada nela. Confira o índice completo da edição aqui.

Nas bancas das principais cidades do país e também disponível para compra pelo site.

Leia Mais

Standard
Curiosidades, Filmes

Lunchtime atop a Skyscraper

BE001089

Estava relembrando hoje desta fotografia histórica, e de quanto a acho absolutamente fantástica. Tirada em 29 de setembro de 1932, no topo do Rockefeller Center em Nova York, por Charles C. Ebbets, a foto é um dos maiores ícones do século XX. Lunchtime atop a Skyscraper resume muito do século que se passou: a pujança impressionante do capitalismo, a redefinição do mundo do trabalho, as condições do mesmo, o “desenvolvimento” (o que é mesmo?), etc.

Fascina a naturalidade com que estes homens se equilibram sem nenhuma segurança. A exemplo de Philliphe Petit, o equilibrista recém premiado com o Oscar pelo documentário Man On Wire, que conta a sua trajetória.

Duas provas de quanto o ser humano é incrível, apesar de tudo.

Leia Mais

Standard
Filmes

Sombras de Goya

Goya’s Ghost – Milos Forman – 2007 – ****

Traduzido no Brasil como “sombras de Goya” – no caso eu preferiria a tradução literal “fantasmas de Goya” – este filme do cineasta tcheco Milos Forman foi estranhamente ignorado pela crítica e pela Academia (merecia, no mínimo, várias indicações ao Oscar). Forman tem carreira bem peculiar dentro do cinema estadunidense. Desde “Um Estranho No Ninho” (vencedor absoluto em 1975), passando por “Hair”, “Amadeus”, “O Povo Contra Larry Flynt” e “O Mundo de Andy” – não vi “Ragtime” e “Valmont” – o diretor tornou-se um dos nomes mais relevantes do cinema.

“Sombras de Goya”, ambientado na Espanha em 1792, tem uma direção de arte primorosa e fotografia eficiente, criando as texturas adequadas para os diversos cenários da estória. Além disso, os três protagonistas, Javier Bardem, Natalie Portman e Stellan Skarsgard estão ótimos. É impressionante a transformação que fizeram em Portman após anos no cativeiro (a menina está se acostumando a passar por torturas em filmes, como vimos em “V De Vingança”).

Como um escorregão histórico imperdoável, a película tem o vício de ser falada em inglês (isso na Espanha de 1792!). Óbvio que a opção facilita não só para os atores mas para o circuito comercial do filme nos Estados Unidos e mundo afora, mas não dá para ignorar. Focado na Inquisição da Igreja Católica, conflitos de poder, familiares e questões internas dos personagens, “Sombras de Goya” ilustra o quanto a Igreja Católica é a instituição mais asquerosa, hipócrita, corrupta e abjeta da história humana (como se fosse necessário). Para mais detalhes recomendo o livro “Escandâlos Reais”, de Michael Farquhar, que tem fatos contundentes sobre alguns papas, como também de várias linhagens reais – detalhes ligados diretamente ao filme de Forman, portanto.

Vasculhando novamente na obra de Farquhar, achei, na página 279, trechos do “Livro Dos Mortos”, o “guia para os inquisidores” da Igreja Católica na época. Reproduzo aqui as passagens, importantes para a ambientação de uma das principais partes de “Goya’s Ghost”:

“Ou o sujeito confessa e tem sua culpa comprovada por força de sua própria confissão, ou não confessa e é igualmente culpado mediante a evidência dos testemunhos. Se alguém confessa a totalidade daquilo que é acusado, sua culpa por tal totalidade é inquestionável: contudo, se confessa apenas uma parte, deve ainda sim ser considerado culpado de tudo, uma vez que o que confessou prova sua capacidade de ser culpado dos demais pontos da acusação. (…)

“A tortura corporal sempre foi considerada o mais salutar e eficiente meio de levar à penitência espiritual. Assim sendo, a escolha da forma mais conveniente de tortura cabe ao Juiz da Inquisição, que deve determiná-la conforme a idade, o sexo e a constituição do réu. (…)

“Se, não obstante todos os meios empregados, o infeliz miserável insistir em negar sua culpa, deverá ser considerado vítima do demônio – e, como tal, não merece a menor compaixão por parte dos servos de Deus, nem a piedade e a indulgência da Santa Madre Igreja; trata-se de um filho da perdição. Deixem-no perecer em meio aos condenados.”

Creio que o conteúdo fala por si…

Pesado, “Goya’s Ghost” tem algumas reviravoltas atravessadas, num roteiro mal-acabado e edição confusa. Ainda assim, são falhas que não comprometem o todo, sendo outro grande filme de Forman, que merece muito mais atenção do que a que recebeu.

Leia Mais

Standard
Filmes

Fargo

Fargo – Joel & Ethan Coen – 1996 – ****

Provavelmente a obra mais reverenciada dos irmãos Coen, vencedora dos Oscar’s de melhor roteiro original e melhor atriz para Frances McDormand (ótima no papel mas sem nada absolutamente genial que justificasse a estatueta, um exagero). Para quem possa se enganar, o filme não é baseado em fatos reais, como os irmãos avisam no começo – trata-se somente de uma pegadinha típica dos Coen. Roger Deakins, um dos maiores nomes de Hollywood, entrega sua costumeira e irretocável fotografia, trabalhando muito bem sob o inverno e o branco/cinza da paisagem, criando o contraste com o ambiente quente e aconchegante dos cenários internos (casas, restaurantes, etc) – dualidade sempre presente na obra: vida/morte, carência/apego, frieza/calor, silêncio/ruído e assim por diante. Curiosamente, quem menos fala – Gaear Grimsrud, interpretado por Peter Stormare, na melhor atuação da película (pra mim) – é o causador de boa parte das desgraças e das mortes.

O roteiro é engenhoso e bem amarrado, apesar de alguns furos e exageros ficcionais. O subtítulo nacional “uma comédia de erros” define bem o que é Fargo. Bom filme superestimado pela crítica.

Leia Mais

Standard
Filmes

Waking Life

Waking Life – 2001 – Richard Linklater – *****

Waking Life, filosófico por excelência, é um estudo de Linklater sobre questões essenciais da vida humana reunida em esquetes direta ou indiretamente interligadas que funcionam perfeitamente bem na proposta de questionar e convidar o espectador à reflexão na sua “linearidade não-linear”. Excelente.

Leia Mais

Standard