Tecnologia & Internet

Primeiras Impressões sobre o Google Chrome

No seu processo de dominação mundial, o Google lançou há pouco tempo seu próprio navegador, o Chrome. Rápido, limpo, leve, simples, despojado e eficaz (como tudo que eles buscam lançar), isso é o que diz a companhia.  Demorei um pouco a testar o browser, e as primeiras impressões foram  mornas.  Não é tão rápido quanto  dá a entender e na ânsia de simplificar acaba se tornando um pouco pobre e confuso: eu, por exemplo, não consegui achar os favoritos nem outras ferramentas, o que já é péssimo. Se um usuário não encontra com facilidade o básico em um navegador, que deve ser acessível a todos os níveis de conhecimento, bem…

O fato de mostrar screenshots das últimas páginas navegadas na abertura é bacana, ok, mas nada demais. Curioso que lançaram o browser quando eram parceiros do Firefox. Mas o caminho – de possuir produtos próprios – é aparentemente “natural”. A sincronia com o Google (ohhh) é direta: quando você digita um endereço a primeira opção que aparece é de buscar aquilo no sistema deles, e não de acessá-lo de imediato. Para engrossar as estatísticas de navegação e “sinergia” – sempre perigosa – com o usuário, como se fosse preciso.

O Google se tornou em pouco tempo a principal empresa de internet do mundo, lançando programas, aplicativos, ferramentas e opções em todas as áreas. Não deve demorar muito a criar seu próprio sistema operacional, porque não? A Microsoft que se cuide.

Pelo menos, na desinstalação, eles são bem humorados: “foi algo que dissemos?”, como pode ser visto na imagem ao lado e também buscam um feedback do leitor, algo sempre presente na empresa. Teste, por curiosidade. Por hora, fico ainda com o meu Firefox 2.0.2 (alguma coisa), estável e eficiente, já que a versão 3 (e etc) do mesmo está cheia de bugs. Acredito que o Mozilla deve continuar sendo o preferido dos usuários por um bom tempo ainda.

Standard