Jornalismo

Reuters Digital News Report 2016 – Insights

Todo ano, a Reuters proporciona a melhor análise sobre mídias digitais e jornalismo no mundo, analisando caso a caso a situação de vários países, realizando comparações entre os analisados e proporcionando algumas avaliações utilíssimas para todos que atuam na área. Você pode acessar o relatório completo em PDF e também ir direto para a página específica do Brasil no site. 

Alguns insights:

  • 70% dos usuários no país utilizam o Facebook como fonte de notícias e 39% o Whatsapp.
  • No geral, mídias sociais experimentam um rápido crescimento de 2013 pra cá, saindo do patamar de 50% para mais de 70%.
  • No online em geral, o índice chega a 91% de uso para notícias.
  • A confiança na mídia e nos jornalistas permanece alta, com quase 60%, terceiro lugar no mundo.
  • 22% afirmam pagar para ter acesso a conteúdo jornalístico online (o terceiro maior índice do mundo). A média (de 11 dólares ao ano) é uma das menores no planeta.
  • 21% usam extensões de bloqueadores de anúncios.
  • A Globo News lidera tanto no combo TV, rádio e impresso quanto no online, com mais de 50% de alcance.
  • G1 e UOL, os dos maiores na web, alcançam em torno de 30 milhões de usuários únicos por mês.
  • Mídias sociais são a fonte de notícia primária para 52% dos brasileiros, índice maior que a média mundial.
  • Na comparação entre 26 países, os brasileiros tem um dos menores interesses em notícias de política, economia, saúde, educação e internacional, perdendo somente para Japão e Coréia do Sul.
  • No entanto, os brasileiros são os que mais comentam e compartilham notícias no mundo, empatados com os turcos, com cerca de 90% de engajamento.

O relatório completo também oferece ótimos dados sobre o mercado de notícias, mídias digitais e participação de usuários no mundo, vale uma análise cuidadosa para quem é do ramo.

Leia Mais

Standard
Jornalismo

Grupo Abril: menos jornalismo, mais educação

educacao-20130628-size-598

2013, um ano cruel para o jornalismo. Não lembro, nos anos recentes, de tantos cortes nas redações com essa expressividade e esse alcance, apelidados carinhosamente pela classe de “passaralho”, fechamento de veículos, etc. É a tal “crise”, a eterna crise, tá sempre ruim pra quem tá lá em cima. É o tal “fim do jornalismo”, morte anunciada, blá blá blá. Para além do apocalipse e das profecias de boteco, já que a questão é muito mais séria, complexa e ampla do que se costuma discutir, vamos focar no Grupo Abril.

Com a morte de Roberto Civita, a faca tá entrando pesada. Semana passada, o grupo anunciou o fim das revistas Bravo!, Alfa, Gloss e Lola, o fim do portal Abril.com, além de demissões nas revistas Quatro Rodas, Viagem & Turismo, Placar, Men’s Health e Veja. No total, aproximadamente 150 funcionários foram demitidos e uma série de mudanças nas equipes de jornalismo, publicidade, marketing e etc foram realizadas. Leia o comunicado oficial.

O mais óbvio é que a Abril perdeu o bonde do online, não soube usar seu imenso valor agregado das publicações impressas e a qualidade dos seus profissionais para oferecer conteúdo exclusivo, relevante (e que fosse rentável) na plataforma digital e por aí afora. Não é surpresa. Poucos grupos do gênero conseguem.

Outro fator explica: a queda de 65% no lucro registrada em 2012.

O resultado representa uma queda de 65,5% em relação ao lucro líquido de 2011, que alcançou R$ 185,88 milhões.

Pesaram no resultado tanto a receita, que caiu de R$ 3,15 bilhões para R$ 2,98 bilhões, como o custo da operação, que aumentou de R$ 1,45 bilhão para R$ 1,58 bilhão.

Enquanto isso, um outro braço da operação, a Abril Educação, teve resultado totalmente oposto, atente:

A Abril Educação encerrou o último trimestre com lucro líquido de R$ 66,9 milhões, o que representa uma alta de 16% quando comparado ao mesmo período de 2011.  Já no acumulado do ano, o lucro líquido mais que dobrou atingindo R$ 100,1 milhões.

A receita líquida da companhia aumentou 8%, atingindo R$ 394,2 milhões no quarto trimestre.

O Ebtida cresceu 20% para R$ 148,6 milhões no período. A margem Ebitda ficou em 38%, quatro pontos percentuais acima do registrado em 2011.

Em julho de 2013, a Abril Educação comprou o grupo Motivo, do Recife, por R$ 100 milhões.

De um modo bem torto e por uma confluência de fatores, a Abril descobriu que a educação é muito mais rentável que o jornalismo.

Colegas se apressam em decretar “o fim da Abril” e esquecem que o poderio dos grandes grupos de comunicação é muito amplo para simplesmente virar pó. No mundo todo, o que se faz é cortar gastos, enxugar veículos, buscar novas fontes de financiamento, apostar numa comunicação multiplataforma. Como funciona no capitalismo em geral, quem irá sobreviver é quem conseguir gerenciar melhor estas questões.

 

Independente de quão precoce a mídia impressa migrou para o online, o sucesso está em entender que são suportes bem diferentes – o que levou um bom tempo para acontecer – e que, ainda que à fórceps, não basta apostar na “sinergia do arrocho”, sobrecarregando equipes inteiras que produzem conteúdo para todas as plataformas, erros comuns que vemos aos montes por aí.

 

A “morte da mídia impressa” é anunciada há pelo menos uns 10 anos. Ainda continuará de pé, e forte, e relevante. É muito mais provável que consigam se reinventar, porque tem poder financeiro para isso, do que chegarem ao fim. O online ainda vive bastante de repercutir a mídia tradicional. E, no momento, não há nenhum “fim” demasiadamente previsível, porque não se trata de apocalipse, de soluções fáceis e profecias falaciosas.

Leia Mais

Standard
Jornalismo

Jeffrey Wigand: o homem que sabia demais

poar01_wigand9605“The Insider” recebeu grande reconhecimento em 1999. Michael Mann vinha do ótimo “Fogo Contra Fogo”, Pacino ainda embarcava em bons projetos e Russell Crowe emendava um filme atrás do outro, antes de chegar ao Oscar por “Gladiador”, um ano depois de “The Insider”. O filme foi nomeado para 7 estatuetas mas não levou nenhuma.

Mais importante que isso é a história real de Jeffrey Wigand, ex-executivo da Brown & Williamson, a terceira maior companhia de tabaco dos Estados Unidos e a coragem que teve (e o inferno pelo qual passou) pra denunciar “práticas abusivas” da empresa, perjúrio e, enfim, ajudar a implodir uma das maiores indústrias do mundo num dos principais casos jornalísticos, políticos e empresariais das últimas décadas.

O artigo no qual o roteiro se baseou, publicado em 1996 pela revista Vanity Fair, está disponível completo online e é obrigatório para todos que se interessam por jornalismo investigativo e etc. Marie Brenner constrói um retrato fiel do labirinto kafkiano que Wigand teve que passar. Leia aqui.

A seguir, uma entrevista com Jeffrey por Charlie Rose:

Leia Mais

Standard
Jornalismo, Tecnologia & Internet

Robert Kaiser: 20 anos de mudanças na mídia que mal foram compreendidas

Kaiser

A internet e tudo que ela trouxe ao seu redor, como campo consideravelmente novo de estudo e experiência prática, carrega na sua história uma tonelada de previsões ao longo do tempo. É curioso observar como os intelectuais, jornalistas, pensadores (etc) tentaram antecipar algumas das mudanças cruciais que estavam para acontecer. Muitas dessas previsões, claro, passavam como delírio ou erraram feito em pontos importantes. Normal.

Alguns, no entanto, acertaram bastante. Como Robert Kaiser, em 1992. Na época editor-administrativo do Washington Post, Kaiser foi convidado pela Apple a pensar sobre as transformações que poderiam acontecer e como isso impactaria toda a mídia, a forma de se fazer jornalismo, a interatividade com o usuário e como obter lucro. Kaiser apresentou seu artigo numa conferência no Japão.

O texto, disponível completo aqui, faz 20 anos este mês.

Em meio a diversas considerações, chamo atenção para duas. Kaiser pondera:

“It is widely assumed among computer people that the public will love the idea of playing editor — of organizing the information stream around personal needs and preferences to create individualized “newspapers.”

Familiar, não? Incrível observar como isso se manifestou literalmente de uma infinidade de maneiras, seja nos próprios blogs, nas redes sociais, nos agregadores de RSS, em ferramentas como o Digg, o Delicious, o Paper.li e por aí afora.

Em outro trecho, Kaiser lembra algo fundamental que muitos (muitos) veículos ainda não sabem aplicar corretamente na migração do papel para o online, na maioria das vezes replicando parcamente a estrutura do jornal no site e ignorando, afinal, muito do que foi feito e implantado até hoje. Embora isso tenha mudado bastante.

“Many at the conference talked about the way we tend to use new media first to replicate the products produced by old media — so early TV consisted of visible radio shows, for example. With this in mind, our electronic Post should be thought of not as a newspaper on a screen, but (perhaps) as a computer game converted to a serious purpose. In other words, it should be a computer product.”

Numa tacada, Kaiser lembra o principal: o jornal online é um produto novo. Não é uma réplica do papel. Daí lembramos da alegada “sinergia” que a maioria das empresas de comunicação faz, colocando seu site apenas como “algo a mais”, uma cópia de luxo e cheia de penduricalhos do jornal impresso, do fato de colocarem, muitas vezes, a mesma equipe para fazer as duas coisas, o que mostra não só a penúria geral do profissional e a pobreza (também) de mentalidade dos patrões.

Mas Kaiser, talvez numa analogia mais espontânea que técnica, de certa forma antecipa o conceito de newsgames, que somente hoje tem começado a ser aplicado de maneira mais extensiva e inteligente.

E ele também pondera sobre como ter lucro nesse novo meio, nesse novo jornalismo. Afirma:

“More interesting are packages of text, photos and film that could be used to create customized news products at many different levels of sophistication. At the top end, such a product might contain the text (or spoken text) of a Post story on the big news of the day, accompanied by CNN’s live footage and/or Post photographers’pictures, plus instantly available background on the story, its principal actors, earlier stories on the same subject, etc. All of this could be read on segments of a large, bright and easy-to-read screen (screens are also being improved at a great rate). Of course the prophets also foresee a lot of advertising on this new medium, predicting that it will have great power because of its ability to give consumers exactly what they want — all the ads for used 4-wheel-drive vehicles, or all the women’s-wear stores having sales today, or all the theaters showing “Hook,” etc. And there are countless ideas for entertainment and games. One that struck my fancy would allow kids (of all ages) to put themselves into familiar movies, actually adding new characters, new dialogue, etc.”

É recomendável ler o artigo todo para uma compreensão total. Coisa que é difícil de superar até hoje: a preguiça intelectual do leitor, na internet ou fora dela.

Ainda cambaleante, a mídia tenta descobrir qual a melhor maneira de lucrar com os seus produtos online, interativos, etc. Nenhuma fórmula única de sucesso foi – ou será – descoberta. O caminho óbvio parece, antes de tudo, conteúdo original e realmente pensado para o online. Depois, estratégias híbridas de anúncios e geração de receitas, explorando as diversas potencialidades disponíveis.

Fechar o site para acesso restrito, deixando apenas um número X de textos gratuitos para o público em geral, modelo que foi adotado recentemente pelo New York Times e Folha de São Paulo, parece mais uma tentativa desesperada de conseguir receita do que propriamente algo benéfico para veículo e público. Bom jornalismo custa caro, é fato. Ao mesmo tempo, diante da quantidade absurda de boas fontes de conhecimento gratuitas na web, o público me parece pouco disposto a pagar por informação.

Exceto quando você consegue realmente oferecer um pacote único e que valha a pena para o leitor. Ainda vamos tropeçar bastante no caminho até chegar numa solução razoável.

+

A Vision for the future of newspapers – 20 years ago

Why newspapers need to get to know their readers better

Leia Mais

Standard