• facebook
  • tumblr
  • twitter
  • mail
  • 70% da madeira explorada no Pará é ilegal, mostra estudo
Expansão da economia chinesa na América Latina (CedLa – Bolívia) / Revista acadêmica Plustrabajo

Expansão da economia chinesa na América Latina (CedLa – Bolívia) / Revista acadêmica Plustrabajo

Em dezembro de 2018 fui convidado pelo Centro de Estudos para o Desenvolvimento Agrário e do Trabalho – CedLa da Bolívia, sediado em La Paz, para falar em duas palestras sobre a presença do capital chinês no Brasil, em larga expansão nos últimos anos.

Estiveram no “Fórum Debate: Políticas de Globalização na América Latina e Bolívia”, além de mim, especialistas de toda a América Latina como Celio Bermann, da USP, Ariel Slipak, da Argentina, Manuel Sutherland, da Venezuela, Ana Lia Guerrero, da Argentina, Sergio Rivera, do México, e Silvia Molina, Miguel Crespo e Carlos Arze Vargas, da Bolívia.

Os debates ocorreram em Santa Cruz de La Sierra, centro econômico do país e em La Paz, centro político da Bolívia. Os dois eventos reuniram mais de 300 pessoas, entre acadêmicos, estudantes, representantes da sociedade civil e do terceiro setor.

As palestras também originaram uma edição especial da revista acadêmica Plustrabajo, lançada em 2019 com o tema “La expansión de la economía china en Latinoamérica: miradas y perspectivas”.

Contribuí com o artigo especial “Brasil-China, gigantes de Occidente y Oriente, amplian interdependencia en medio de la guerra comercial y en el camino arrastran violaciones socioambientales”, publicado em espanhol.

Nos últimos dez anos, US$ 71 bilhões foram gastos pelos chineses para garantir aquisições de empresas no continente e a China já compra mais de um quarto de toda a exportação de commodities da América Latina.

O estoque atual de investimentos chineses na região é de US$ 207 bilhões, sobretudo em infraestrutura, energia, mineração, hidrocarbonetos, agronegócio e tecnologia e as transações comerciais chinesas com a América Latina já superam US$ 200 bilhões.

No âmbito financeiro, a China forneceu crédito de 141 bilhões de dólares na última década para os países da região, superando o fornecido por instituições como Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e Banco Mundial.

Fundado em 1985, o Centro de Estudos para o Desenvolvimento Agrário e do Trabalho (CedLa) é uma instituição sem fins lucrativos que se dedica à investigação crítica de temas econômicos e sociais na Bolívia e na América Latina. É filiado ao Conselho Latinoamericano de Ciências Sociais (CLACSO).