“O Rio Doce está completamente morto, jogaram a tabela periódica inteira nele”, diz diretor do SAAE

Ao contrário do que insiste em afirmar a Samarco, já desmentida por análises preliminares, a lama despejada no Rio Doce contém a presença de partículas de metais pesados como arsênio, chumbo, alumínio, ferro, bário, cobre, boro e até mercúrio. É o que revela análises laboratoriais de amostras da água do rio encomendadas pelo Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) de Baixo Guandu, no Espírito Santo.

Para Luciano Magalhães, diretor do SAAE, este é o fim do Rio Doce. “A situação pode ser resumida em duas palavras: rio morto. Na última terça-feira (10), recolhemos amostras de três pontos do Rio Doce em Minas Gerais. O primeiro no Centro de Governador Valadares, uma água muita densa de rejeitos, a outra a 10km abaixo de Valadares e em Galileia. Somente a do Centro estava inviável de captação, impossível de tratar”, afirmou.
E completou: “Não serve mais para nada, nem para irrigação e nem para os animais, muito menos para consumo humano. O cenário é o pior possível. O Rio Doce acabou. Parece que jogaram a tabela periódica inteira. Nossa medida agora é buscar alternativas para captação de água. Já estamos fazendo um canal de desvio do Rio Guandu até a estação elevatória do SAAE”.

O prefeito de Baixo Guandu (ES), Neto Barros (PCdoB), confirmou a informação.

“Para se ter uma ideia, a quantidade de arsênio encontrada na amostra foi de 2,6394 miligramas, sendo que o aceitável é de no máximo 0,01 miligrama”, citou.

Ainda segundo o prefeito, são 100 quilômetros de material tóxico descendo pelo rio. “Quero ver o que o presidente da Vale vai fazer para ajudar todo o povo”, disparou.

A Samarco ignora as análises e insiste em negar a presença de metais pesados: “A empresa reforça que o rejeito é classificado como material inerte e não perigoso, conforme norma brasileira de código NBR 10004-04, o que significa que não apresenta riscos à saúde pública e ao meio ambiente. Proveniente do processo de beneficiamento do minério de ferro, o rejeito é composto basicamente de água, partículas de óxidos de ferro e sílica (quartzo)”, diz a nota.

Fontes (leia mais):

ES Hoje 

Estadão

Maurício Angelo

Jornalista investigativo. Escrevo (geralmente) sobre política, Amazônia, mineração, conflitos socioambientais e direitos humanos.

3 thoughts to ““O Rio Doce está completamente morto, jogaram a tabela periódica inteira nele”, diz diretor do SAAE”

    1. Em Aimores, por onde passa o Rio Doce, devido ele se encontra com o Manhuaçu e ter hidroelétrica parece que a situação está controlada. Parece que a cidade recebe água de outro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *