Entrevistas / Mídia

Com frequência sou convidado para comentar temas relativos ao setor mineral. Para solicitações, entre em contato.

Confira algumas entrevistas recentes.

Globo News

O lobby da mineração é poderoso e responsável direto por tudo que acontece na ponta. Conversei com o André Trigueiro para o Cidades e Soluções da Globo News de 05 de dezembro de 2021 sobre o Novo Código de Mineração. O programa pode ser assistido na íntegra aqui.

Em fevereiro de 2022, convidado por André Trigueiro, comentei no Instagram da Globo News sobre as consequências dos dois decretos publicados por Jair Bolsonaro que mudam o Código de Mineração e impactam o garimpo na Amazônia.

The Washington Post

Para o jornal americano The Washington Post, um dos maiores e mais prestigiosos do mundo, fui entrevistado sobre as articulações por trás do PL 191/2020, que autoriza mineração em terras indígenas, em março de 2022:

“A good opportunity for us”: Brazil’s Bolsonaro uses Ukraine war to justify exploiting Indigenous land

Globo Minas

Para a Globo Minas, no MGTV2, fiz alguns comentários pontuais.

Contribuí para essa matéria de janeiro de 2022 sobre a ampliação de vida útil de uma barragem da Vale em Nova Lima com uma fala abordando o fato de que as mineradoras controlam o licenciamento e não são fiscalizadas.

Também comentei nesta outra matéria, da mesma semana, sobre o caso da barragem e do muro de contenção da Vale em Macacos, perto de BH. Áreas foram tomadas pela lama das chuvas. Dezenas de moradores foram expulsos de casa desde 2019. Prazos para “fechar” barragens não serão cumpridos.

Em fevereiro de 2022, comentei sobre o fato de que apenas 13% das multas ambientais foram pagas em Minas Gerais desde o desastre de Mariana, em 2015.

Em outra matéria, a Globo repercutiu o aumento do prazo para que mineradoras desativem barragens consideradas de altíssimo risco no estado. O prazo venceu em fevereiro de 2022, quase nada foi feito e as empresas ganharam mais alguns anos para descomissionar verdadeiras “bombas-relógio”.

Em março, uma barragem da ArcelorMittal em Itatiaiuçu subiu para o nível 3 de emergência, mostrando que a situação crítica das barragens em Minas Gerais não é tratada com a seriedade necessária.

Deutsche Welle

Em dezembro de 2021 a rede alemã Deutsche Welle publicou uma matéria repercutindo a revelação do Observatório da Mineração de que bancos alemães financiam mineradoras envolvidas em conflitos no Brasil.

Trecho da matéria:

Ao conceder um empréstimo, um banco nem sempre sabe que o dinheiro vai parar em investimentos irresponsáveis. Mas “em 10 minutos de [busca no] Google, você encontra muita coisa”, observou, em entrevista à DW Brasil, o jornalista Maurício Angelo, fundador do Observatório da Mineração. “Se um banco quiser fazer uma diligência mínima – o que deveria, e está previsto fazer – sem dúvida, conseguiria descobrir muitas coisas questionáveis, rapidamente.”

Porém, “há mais de dez anos estes bancos estão envolvidos em financiamentos diretos a mineradoras e empresas de commodities envolvidas em conflitos”, apontou Angelo. “Será que não fazem a menor ideia de quem são estas empresas?”, questionou.

Os investimentos indiretos de bancos que vão parar em projetos controversos também são alvo de críticas. Embora seja difícil discriminar o caminho do dinheiro em transações que envolvem várias empresas, ativistas pedem mais responsabilidade na concessão de investimentos. Pois, segundo argumentam, se houvesse alguma sanção jurídica que responsabilizasse os bancos em casos de violações socioambientais, certamente eles teriam mais cautela ao conceder empréstimos.

O terceiro banco alemão mencionado na reportagem do Observatório da Mineração, o Deutsche Bank, por exemplo, é apontado como investidor de 59 milhões de dólares na empresa suíça Glencore, uma das grandes traders de commodities do mundo e que até maio de 2021 manteve ações da CSN Mineração, tendo uma participação de 3% na empresa. Na oferta inicial de ações (IPO) da mineradora, em fevereiro, a anglo-suíça Genclore havia sido o investidor de maior peso, adquirindo 25% das ações.

Le Monde Diplomatique

Convidado pelo Le Monde Diplomatique, falei sobre o lobby internacional e as articulações do governo Bolsonaro envolvendo mineração em terras indígenas. Veiculado no canal da Rede TVT e PUC TV.

Revista científica “Eos” by AGU

Na revista científica da Advacing Earth and Spaces Science, fui entrevistado sobre a ameaça que a mineração representa para povos indígenas isolados na Amazônia.

According to journalist Maurício Angelo, founder of the Mining Observatory, mining companies are not the only ones interested in the passing of PL 191/20. International banks—stakeholders of these companies—are also part of the game.

An investigation by watchdog group Mining Observatory last year showed that German banks invested more than $1 billion in mining companies involved in socioenvironmental conflicts in Brazil between 2016 and 2021. The British firm Anglo American, one of the world’s largest mining companies, was the main beneficiary, having received $627 million from Commerzbank. International banks such as HSBC, BNP Paribas, Barclays, UBS, and Rabobank are also investors in companies such as Vale do Rio Doce, BHP Billiton, Glencore, and the Rio Tinto Group.

“Many of these banks are signatories of the United Nations’ Principles for Responsible Banking and have their own internal sustainability agendas—and at the same time, they have vested interests in maintaining and expanding mining operations,” Angelo said. “If the bill passes, mining requests that are already high can skyrocket, and wildcat miners will feel even more legitimized than they do now.”

National Public Radio (NPR) – Estados Unidos

Fui entrevistado pela NPR de Boston, no programa Here & Now, sobre os casos de Covid-19 entre indígenas brasileiros, a partir de uma série de matérias que publiquei na Reuters. Reproduzida também na NPR de North County e NPR Illinois.

A NPR é uma das maiores redes de comunicação dos Estados Unidos, com mais de 53 milhões de ouvintes semanais em suas plataformas, 1000 afiliadas nos EUA e 35 representações pelo mundo.

Roteirices

Podcast “Roteirices”, do jornalista Carlos Alberto Jr, para falar sobre a história do Observatório da Mineração, os bastidores, o lobby, o estado do jornalismo e as investigações feitas pelo site.

Luís Nassif / GGN

Canal do jornalista Luís Nassif para falar sobre a cobertura do Caso Samarco e a série de matérias especiais que publiquei sobre o novo sistema de indenização criado pelo juiz federal responsável e as denúncias na bacia do Rio Doce:

Podcast “Um Rio que Mudou de Cor” da WWF Brasil

O garimpo ilegal pode significar sorte e riqueza para alguns, mas para comunidades indígenas, trabalhadores explorados, rios e cidades do entorno, ele é sinônimo de contaminação e morte. Com apresentação de Priscila Tapajowara, direto de Santarém, oeste do Pará, na beira do Tapajós, o podcast contou em oito episódios como essa realidade se construiu ao longo do tempo na Amazônia por meio de depoimentos de indígenas, procuradores, garimpeiros, ativistas e especialistas. Eu, Maurício Angelo, fui um dos entrevistados.

Gigante 163

O site Gigante 163, do Mato Grosso, que busca fazer uma cobertura mais sensata sobre o agronegócio, com análises que envolvam os impactos socioambientais, repercutiu um projeto de lei que abre as Reservas Legais do estado para a mineração.

Trecho:

Maurício Angelo, do Observatório da Mineração, afirma que, ao somar as outorgas de água para uma mineradora com as que o agronegócio necessita, principal ramo do nosso Estado, surge um iminente risco de seca de aquíferos, nascentes, rios, cursos d’água e etc.

“Isso, muito provavelmente, vai atingir na produção do fazendeiro de maneira muito rápida”, conta Angelo. “Além de contribuir para agravar a questão do desmatamento, desequilíbrio ecológico, crise climática e aumento de pragas.”

A atividade pode ainda ocasionar o rebaixamento dos lençóis freáticos, assoreamentos e a contaminação de rios e aquíferos.

“Além disso, [os resultados] não se limitam ao local da mina, podendo comprometer integralmente as bacias hidrográficas”, afirma Milanez, autor do artigo.

“Portanto, os supostos ganhos financeiros não ultrapassam as perdas que você vai ter de temas ambientais, ecológicos e climáticos, impactando diretamente na produção e equilíbrio do ecossistema”, conclui o fundador do Observatório. “Para quem for explorar, o lucro ali vai ser ótimo. Mas será que a médio e longo prazo vai ser um bom negócio para a comunidade local? Os exemplos dizem que não.”