Entrevistas

Robert Crumb em três tempos

Crumb, Robert - Comiczeichner, USA

Crumb certamente é um dos maiores cartunistas de todos os tempos. Aos 72 e morando numa pequena vila no sul da França desde os anos 90, Crumb é controverso e paradoxal como quase todo artista acima da média normalmente é.  Nesta entrevistaça que cedeu para o Observer, Crumb fala longamente sobre suas taras sexuais e o fardo do sexo, a cultura undergound, as benesses e os inconvenientes da fama, algumas escolhas da carreira, as implicâncias, o público, o feminismo, influências, as simpatias políticas e sua nostalgia cultural do início do século 20, especialmente na música. É leitura divertidíssima, enriquecedora e brilhante. Vale a pena reservar um pouco do seu tempo para ler. Selecionei alguns momentos:

SEX

“I have tried to talk to women about that very issue of male domination, power and feminism many times before to no avail. They don’t wanna hear about it. One rejection and that’s it for me. That just kills me,” said Mr. Crumb. “I couldn’t take all those nos so I don’t do anything. I’m just paralyzed. Women expect men to take the initiative, to be forceful, assertive; they expect to be courted and seduced. In spite of feminism, women still want to be the object of attraction, and the male’s confidence in courting her is a test that he must pass in order to win her.”

“So, before you became famous, how did you get laid?”

“I didn’t.”

“You must have a big ego,” I told him.

“Gigantic, but fame changed all of this,” he said, “I got married to the first overweight woman passing by, this deeply neurotic, insecure woman. I was living the life of a wage slave in Cleveland and then one day in January, 1967, I just hitched a ride to San Francisco without telling her, and left my job in the greeting card business. The hippie culture of Haight-Ashbury, where it all started for me, was full of men doing nothing all day and expecting women to bring them food. The ‘chick’ had to provide a home for them, cook meals for them, even pay the rent. It was still very much ingrained from the earlier patriarchal mentality of our fathers, except that our fathers, generally, were providers. Free love meant free sex and food for men. Sure, women enjoyed it, too, and had a lot of sex, but then they served men. Even among left-wing political groups, women were always relegated to secretarial, menial jobs. We were all on LSD, so it took a few years for the smoke to dissipate and for women to realize what a raw deal they were getting with the ne’er-do-well hippie male. Men who acquired preeminence at the time were all frauds, fake gurus who were paying lip service to peace and love, charismatic cons who just wanted to fuck all their adoring disciples. Timothy Leary was like that. A big phony.”

“With fame you didn’t have to avoid rejection and jerk off forever,” I observed.

“It was the most remarkable change in my life,” he agreed, “and it came very suddenly, too. All of a sudden beautiful women started flocking to me. It happened, like, overnight, in the year 1968. It took my breath away.”

“When you have sex in your drawings, like in the bus story, it is usually from behind,” I observed. “But we never see if it’s anal sex or vaginal.”

“I’ve never been asked that before,” Mr. Crumb said. “It’s vaginal, although the act of penetration itself is not the main event for me. It’s the psychological stuff around it, what’s called ‘foreplay,’ I guess you might say. That’s where the big thrills are for me. Intercourse for me is just, you know, the icing on the cake, or something. These things are hard to talk about. Anyway, it’s all in the comics.”

(…)

What is your favorite sexual position?” I asked him.

“Mr. Crumb giggled nervously and shifted in his chair. “I dunno… Is that something I really have to…? I can’t really talk about it. I can draw it in my comics, but I can’t actually talk about it… It’s embarrassing. Then how was I able to draw it for all the world to see, you might ask? I don’t know the answer. I like to be sucked while I’m sitting on a chair with the woman kneeling, all spread out sprawling so I can slap her big ass,” he said. “A big ass is just heaven. Like two giant basketballs.

MEDIA & READERS

“Have you ever thought of actually committing suicide?” I asked.

“Yes. The last time I came close was 1986,” Mr. Crumb said, “I was at the peak of my fame. The BBC came to my house to make a documentary on me and I got a tribute at this comic convention, the Angoulême International Comics Festival in France. All of these ordeals had to do with being famous. I needed money, so I accepted the BBC offer. They invaded my house with their cameras, lights and their shit — it was awful. Then I went to this big comics convention in France, where I was the main event. They built a giant head of me, people could actually walk through it. All my comic stuff was pasted inside this giant head. It was torture. There were journalists, photographers everywhere. I felt disgusted with life.

“So who buys your shit? Some fat, balding wanker guy in mommy’s basement?”

“Yes,” Mr. Crumb said.

“No wonder you want to kill yourself.” I said.

“I see them at conventions,” Mr. Crumb said. “Nerdy guys or fat, aging hippies. One time I was signing books next to this guy Peter Bagge, who had young cute teenage girls lining up for him. His comics are very funny stories about young punk rock-type kids, a very sympathetic portrayal of their world. My work creeps women out. The very thing that you are talking about that you think should make it sympathetic to them, they find very creepy. This introspective, self-loathing guy who then wants to dominate and do all these crazy things to women. In real life, some women might respond to that sort of man, but believe me, it’s not what they want in their entertainment. They want Fifty Shades of Grey, which sold 50 million copies, all to women.”

POLITICS

“Peripherally, I had left-wing sympathies,” Mr. Crumb said, “but a lot of these extreme left-wing groups became hopelessly doctrinaire to the point where they became rigid and dogmatic and unattractive. Life is not that simple…when people start spewing Marxist doctrine around, I just fade out. One of my best friends, the cartoonist Spain Rodriguez, was a very committed Marxist, and his point of view was subtle enough that he gave me a lot of clarity regarding class allegiance. The difference between the value systems of the proletariat and the bourgeoisie used to be much clearer than it is nowadays. Spain would always bring it back to that class difference. Who are you going to align yourself with? The values of the working class or the bourgeoisie? That was very enlightening; it helped me a lot because the bourgeoisie is always trying to erode the other side away, to obfuscate it.”

(…)

“We should still bomb motherfucking banks,” he said.

“What did you make of Occupy Wall Street?” I asked him.

“I thought it was a worthy effort,” he said.

“I walked through Zuccotti Park and these fools were calling for ‘good’ banks, the church and Thomas Jefferson’s ideals.”

“That’s sad. 2008 was the biggest robbery in history and who goes to jail? Some poor black kid who stole some sneakers at a fucking Wal-Mart if he gets lucky enough to not get shot in the back on his way there,” Mr Crumb said,

“A black kid recently in New York ended up at Rikers Island for stealing a backpack. He couldn’t make bond, always denied the charges, stayed at Rikers for years and after he finally got out, killed himself. Obama, in his final year in office, finally realizes that he spent his presidency trying to please the white man who hates him on sight, he did nothing to help black people.”

“Yes. He’s a house Negro,” Crumb said.

“That’s what Osama bin Laden said about Obama.”

“Really? Wow! I didn’t know that. And the bankers and corporations keep on raping America and most of the poor don’t vote at all, and when they do, they keep on voting their shills into office. I’m so glad I don’t live there anymore. I haven’t had a boss since 1967, when I quit the greeting card company. I’m an exceptionally free agent in this world. Ninety-nine percent of the population lives in fear of losing their job. I’ve been lucky that way I’m free to speak my mind and not fear for my livelihood,” Mr. Crumb said.

MUSIC & AMERICA

“The America that I missed died in about 1935. That’s why I have all this old stuff, all these old 78 records from that era. It was the golden age of recorded music, before the music business poisoned the people’s music, the same way that ‘agribusiness’ poisoned the very soil of the earth. In the old days, music was produced by common people, the music they produced to entertain themselves. The record industry took it and resold it, repackaged and killed it, spewed it out in a bland, artificial, ersatz version of itself. This goes along with the rise of the mass media, the spread of radio. My mother, born in the 1920s, remembered walking in the street in the summertime in Philadelphia, and in every other house, people were playing some kind of live music. Her parents played music and sang together. In her generation, her brothers didn’t want to play an instrument anymore. It was the swing era and all they wanted to do was to listen to Benny Goodman on the radio. The takeover of radio happened much later. In places like Africa, you can still find great recorded music from the ’50s. I have many 78s from Africa at that time that sound like some great rural music from America in the ’20s. In the U.S at that time there were thousands and thousands of bands, dance halls, ballrooms in hotels, restaurants had dance floors, school auditoriums, clubs in small towns. A small town of 10,000 would have a least a hundred bands. In the mid 30’s radio spread very fast in America and the depression killed a lot of the venues where live music was performed. You could go to the movies for 10 cents. Then in the 50’s TV finished it all off. Mass media makes you stay home, passive. In the 20’s there was live music everywhere in the States.”

Padrão
Entrevistas

Edyr Augusto: “na literatura, é preciso ousar”

destaque-342501-edyr-proenca-2--danilo-verpa-folhapress

Por Maurício Angelo

Falei recentemente da obra do paraense Edyr Augusto Proença aqui no blog. Com 6 livros lançados e “Pssica”, de 2015, fresquinho nas prateleiras, nada melhor que bater um papo rápido com o autor e jornalista sobre algumas das principais questões da sua literatura, sua linguagem, sua forma de ver o mundo e o estado atual das coisas, seja ele qual for. Entrevista que você confere abaixo.

Você mora no centro de Belém e o centro de grandes cidades (talvez especialmente cidades portuárias) costuma ser uma região especialmente “degradada”. E você já disse o quanto esse convívio com os diferentes tipos de figuras que habitam esse cenário é importante para a sua literatura. Ao mesmo tempo, você não acha que falta, talvez, justamente essa vivência para escritores de centros que costumam se isolar em seus apartamentos em bairros de classe média alta e ter uma visão quase superficial e fortuita com o pulso das cidades em que vivem? A literatura não fica razoavelmente fake com isso?

É difícil responder. Cada escritor tem seu próprio universo e seu método de trabalho. Não posso responder pelos outros. No meu caso, é essencial ouvir a melodia, o ritmo, as palavras usadas. Há pessoas do povo também circulando em bairros de classe media alta onde poderiam ouvir suas falas. Enfim, é uma questão de método.

Sua linguagem é extremamente direta, talvez mais que qualquer outro nome. A princípio, confesso, isso me incomoda. Essa ânsia em pegar o leitor pela jugular e não deixá-lo respirar. Mas funciona. Como você equilibra essa pegada para, paradoxalmente, não cansar o leitor? Entre todas suas atividades – escritor de teatro, radialista, redator publicitário etc – qual tem mais influência nisso?

Escrever para teatro me deu uma certa medida, que fui percebendo ao longo do tempo. Entre o palco e a plateia, há uma tensão alta e qualquer movimento em falso, pode-se perder a atenção de todos. Escrever de maneira concisa, é a premissa para a redação publicitária, radio e jornal. Não sei qual a maior influência, mas cheguei ao estilo por conta dessas atividades. Escrever é cortar palavras.

Escrever cenas de sexo é sempre uma armadilha. A chance de soar patético, pueril, forçado ou algo que o valha é sempre enorme. Mas as suas, talvez por conservarem um teor típico de algo crível, rotineiro, sujo na medida, comum a todos nós, conserva uma identidade. Há um cuidado maior em escrever tais cenas?

Não tenho maior cuidado do que tenho com outras. As cenas de sexo são provocadas por uma grande emoção, nervos à flor da pele e mais do que tudo, são descargas de violência, tensão e erotismo. Escrevo de uma vez. Escrevo como quem enxerga na tela do computador, os personagens se relacionando. E ali já estão dentro de um contexto. Estão imersos em seu desespero.

A investigação jornalística, em fatos “reais” retratados por jornais, é um processo pelo qual você já disse que são fundamentais para o seu livro. A brutalidade do real sempre supera a ficção?

Como diz Marcelo Mirisola, “ficcionistas, cuidado, a realidade é uma concorrente”. Com tantas câmeras, tantos programas policiais ou investigativos, é cada vez mais difícil os acontecimentos não estarem na mídia. No caso do “Pssica”, usei como pano de fundo, fatos cansativamente noticiados nos cadernos policiais. Todo o resto é ficção. O real é sempre brutal. Muito. Nós, escritores, tentamos provocar no leitor essa emoção. Nem sempre conseguimos.

No seu blog, no texto “Nós, os invisíveis”, você comenta o quanto os principais veículos de imprensa e o próprio poder público desconhecem ou não dão o devido valor ou não tem o mínimo de política e incentivo para estimular a cultura local. Seja em Belém, seja em SP, megalópole e principal cidade do continente, isso parece queixa comum. A cultura no Brasil realmente está condenada à marginalização eterna? Em viver de migalhas do poder público e midiático? Somos um país que lê e se importa pouco e quase nada mudou nas últimas décadas?

Em âmbito nacional, é mais difícil opinar, mas posso dizer que a Cultura, nos últimos vinte anos, profissionalizou-se, é uma atividade que gera empregos, impostos, uma indústria. Mas os dirigentes não acompanharam esse processo, o que é uma pena. No caso do Pará, temos há longos anos, uma campanha justamente de dizimação da classe artística. Não há nenhuma política cultural para nenhuma area. Nós, escritores, promovemos a segunda FLiPa, Feira Literária do Pará, iniciativa completamente particular. Não estamos parados. É preciso profissionalização. Chega de amadorismo.

Jornalistas são, grosso modo, bichos ignorantes?

Eu sou jornalista. Há bons e maus em qualquer lugar. No Pará, sou muito bem noticiado pelos colegas, fora o caso de donos de jornais que brigam e quem escreve em um jornal (escrevo semanalmente em O Diário do Pará), não é noticiado em outro. Coisa provinciana.

Você teme uma possível ‘exaustão’ de estilos, temas e abordagens? Ou, na linha do “minha aldeia é o mundo” e sendo o Pará uma sociedade tão complexa e sincretista, há material suficiente para uma carreira inteira? Pode sair do seu lugar de origem para ambientar uma obra futura?

O Pará e Belém são assuntos ótimos. Tudo o que escrevi até hoje tem a ver com isso. Mas nada me impede de ter outras ideias, também. Sou absolutamente livre para escrever sobre o que quiser. Escritores de best sellers parecem escrever o mesmo livro há longos anos e são admirados. O estilo será o mesmo. As histórias, sempre diferentes.

Se fosse possível traçar um desejo, e não apenas individual, mas amplo, o que seria essencial para mudar o cenário que encontramos em 2015 em todo o país em termos de literatura, etc?

Educação. Temos, hoje, pelo menos umas três gerações perdidas, sem cultura, educação, ética, nada. Não sou técnico, mas é preciso cuidar imediatamente das novas gerações. Um choque brutal. Para tudo. Recomeça. Em uns doze anos, talvez tenhamos algum horizonte. Com isso, a literatura. O que fazer com essas gerações perdidas? Não sei. Mas sei que não se pode dar a um moleque que passa o dia mexendo com twitter, whatsapp, facebook e outros, um Machado de Assis para ler. O cara precisa se identificar com a linguagem. Precisa gostar. Não ler por obrigação. Mais tarde ele procurará por Machado.

Seria arbitrário identificar um eixo comum para a geração 00 ou, em termos práticos, você enxerga alguém capaz de quebrar o nicho a que a literatura está normalmente confinada? Isto é importante?

Não vou citar nomes. Fatalmente esqueceria alguém. Mas tenho gostado de alguns jovens escritores. Gosto dos temas, da linguagem. É preciso ousar. Com a internet, os jovens têm acesso ao que é produzido no mundo inteiro. Precisamos ganhar essa aposta com textos fortes, criativos e interessantes. O grande problema é chegar a eles. Interessá-los. Tirá-los dos smartphones. E isso tem a ver com a questão de educação.  

A desigualdade social brasileira – uma das 10 maiores do mundo – de alguma forma, e longe do clichê tão normalmente abordado na arte nacional (por gente da classe média alta) é um dos panos de fundo da sua narrativa? O Pará é um universo simbólico neste aspecto e na “ausência de lei” em algumas regiões. O Brasil profundo que a maioria das capitais gosta de não enxergar. É possível que isto seja um dos fatores fundamentais do seu texto? 

O Brasil é muito grande. O Pará, também. Terra de contrastes. Talvez o Estado potencialmente mais rico e ao mesmo tempo, economicamente um dos mais pobres. Com as riquezas descobertas, desesperados correram para ficar ricos. Hoje, jazem pelas ruas esfomeados, sem porvir. O Marajó é a maior ilha fluvial do mundo. Um arquipélago de cem ilhas. A Lei não chega. A miséria é maior. O Estado é incompetente. Falta tudo. Vira lei do cão. Lei da selva. Manda o mais forte. São esses contrastes que me interessam. Que fazem minha literatura. Dou voz aos ricos e a quem está nas sombras, perdido, assustado, armando o bote para alguma presa.

Padrão
Entrevistas

Comunismo – Questões Básicas

A vida é engraçada. Sem esperar, me vi adentrando numa discussão sobre Marx na comunidade “Post Rock N’ Roll”, do Orkut. Daí, fui pesquisar em meus arquivos alguns dos diálogos que tive anos atrás com um amigo, já entrevistado aqui neste blog. Daniel Delfino, filósofo, sociólogo, marxista and street fighting man, ipsis litteris. Num destes emails, o que reproduzo abaixo, datado de 31.05.05 minha proposta foi justamente de fazer algumas “questões básicas” sobre o comunismo para ele, incluindo aquele tipo de pergunta e “acusações” mais óbvias que o senso comum faz, o clichê do clichê, como o básico do básico. Uma introdução, enunciação. Com perguntas aparentemente mais óbvias do mundo, mas que geraram respostas fundamentais para que se possa vir começar a compreender o que este tal barbudo alemão disse e algumas destas implicações ao longo do tempo. Em negrito, minhas perguntas, e, em sequência, as respostas de Daniel.

MA: Você falou em Marx, eu tinha lido uns escritos dele um tempo atrás e agora voltei a ler.

Daniel Delfino: Nada substitui a leitura dos originais quando se quer conhecer o pensamento de determinado autor. Entretanto, no caso de Marx, não se trata de um autor que se possa ler por curiosidade inocente (ainda que literariamente seus textos sejam muito atraentes e de leitura prazerosa), uma vez que as conseqüências de seu pensamento ainda fazem parte do mundo político de hoje. A obra de Marx é uma espécie de campo minado. Há leituras e releituras, revisões e restaurações atravancando o caminho. Para que o estudo da obra de Marx seja produtivo, é recomendável que se tomem algumas precauções. A primeira delas é que se conheça o lugar de cada obra na trajetória biográfica do autor em questão: com que Marx estava envolvido quando escreveu cada texto. A segunda é que se conheça o momento em que cada obra foi publicada: a maior parte dos livros de Marx foi publicada postumamente. Isso significa, que a maioria dos “marxistas” não leu Marx! Isso é especialmente grave quando se considera que esses “marxistas” andaram fazendo revoluções sem terem lido obras filosóficas fundamentais, o que ajuda a explicar, ao menos parcialmente, as limitações dessas revoluções. Vista por esse ângulo, a obra de Marx estava destinada a ter uma repercussão muito posterior à época de sua elaboração, quando, à medida que vai sendo publicada e conhecida, abre as portas para medidas práticas que se aproximam mais do sentido do projeto marxiano original. Por se tratar de uma proposta de revolucionamento total da sociedade, é compreensível que o seu impacto tenha sido lento, acidentado e oscilante. Por falar em oscilação, é óbvio para qualquer um que, no momento atual, a obra de Marx não está em evidência, mas em eclipse. O que remete para a questão seguinte.

Compreendi melhor do que na primeira vez.

Lukács descreveu o fenômeno da decadência ideológica da burguesia como uma característica inescapável da época moderna, capaz de determinar as possibilidades do conhecimento da realidade social. Grosso modo, os pensadores burgueses são incapazes de entender a realidade social enquanto estiverem presos ao que Marx chamava de “o ponto de vista da economia política”, ou seja, à idéia de que o mercado é o único horizonte possível de sociabilidade. Eles são incapazes não porque não sejam inteligentes o bastante, ou por desonestidade pessoal e má fé, mas por uma questão de determinação social. Se não admitem a possibilidade da superação do sistema do capital, tornam-se cegos para suas contradições, e passam a girar em círculos, condenados a explicações parciais. Incapazes de incorporar as descobertas de Marx, regridem aos filósofos a ele anteriores. Até mesmo Hegel torna-se “perigoso”, por causa da dialética, o que os obriga a voltar a Kant. O pensamento burguês pós-marxista é, na verdade, pré-marxista, pois é kantiano. E Kant é o filósofo que estabelece a separação entre os fenômenos e a essência, de modo que a totalidade do mundo, a “coisa em si” torna-se fundamentalmente ininteligível. A “coisa em si” do capital é ininteligível pelo pensamento burguês. E os pensadores burgueses não explicam a sociabilidade do capital não por uma questão de incompetência, limitação pessoal ou má vontade, mas porque, se o fizessem, teriam de condenar a iniqüidade do sistema, ou seja, deixariam de ser burgueses.

Por outro lado, a simples adesão formal “exterior” ao marxismo não é garantia de que se abram os olhos para uma compreensão abrangente e profunda da realidade. Tal compreensão foi alcançada pelo próprio Marx não por uma adesão formal a algum método mágico, como a formidável dialética de Hegel, mas porque ele utilizou-se desse método para resolver as questões concretas em que estava envolvido. Quanto mais envolvido está um pensador nas questões concretas de sua sociedade, mais capaz ele se torna de desvendar os mecanismos fundamentais de sua época.

Mas antes de entrar em sua filosofia propriamente dita, gostaria de lhe fazer umas perguntas. O senso comum é de que a ideologia comunista é maravilhosa, perfeita e linda na teoria mas impossível na prática. Isto tem fundamento?

O senso comum entende o comunismo como uma espécie de “receita de bolo” a ser aplicada sobre a sociedade para ser “testada” como uma opção entre várias outras numa prateleira. Um “modelo” que já vem pronto, caindo do céu para ser aplicado por um grupo de dirigentes “iluminados”, para “ver no que dá”. O comunismo é justamente o contrário, ele significa que o próprio senso comum deve tomar a direção de sua vida no plano econômico, político e cultural. Ele não vem pronto, pois trata-se de um processo interminável de auto-desenvolvimento da humanidade. Evidentemente, o equívoco do senso comum não é uma ilusão sem pé nem cabeça. A ilusão tem um fundamento concreto, que é a experiência histórica do comunismo. Existiram regimes que foram chamados “comunistas”. Esses regimes caíram, logo, para o senso comum, trata-se de um fracasso, de algo que foi “testado”, e que se provou “impossível na prática”. Se foi dito que o comunismo é o oposto daquilo que o senso comum pensa, a conseqüência necessária é de que aqueles regimes não eram comunistas.

O que significa ser comunista hoje em dia?

Existem hoje regimes de governo que se intitulam ainda “comunistas”. Existem partidos políticos que se dizem comunistas. Existem grupos e tendências sectárias que se dizem portadoras da chama do “comunismo”. Existem herdeiros das experiências “comunistas” fracassadas que têm como projeto reviver essas experiências exatamente como elas aconteceram. Existem, em número maior, “comunistas” que se desiludiram com aquelas experiências e se intitulam simplesmente “esquerdistas”, “marxistas”, “humanistas”, etc; entendendo que o “comunismo” realmente fracassou e que não se deve mais ter a ambição de transformar a sociedade inteira, mas apenas tentar melhorá-la cosmeticamente. E existe, ainda, uma minoria, dentre os quais me incluo, que tenta resgatar o sentido original do projeto comunista, para desvinculá-lo das experiências “comunistas” fracassadas e reativar o seu sentido humano emancipador.

Existe, enfim, uma grande confusão dentro do campo teórico-político do comunismo. Dentre as pessoas que se dizem participantes do campo do comunismo (ou do marxismo, da esquerda, do humanismo, do trabalho), o balanço daquelas experiências fracassadas ainda não foi devidamente feito. O movimento comunista está atualmente dividido, fragmentado, desorientado, mas não está morto. Porque não se trata de uma idéia, mas de uma possibilidade objetiva posta na realidade, que pode se concretizar ou não. Ele é, por isso, tão atual como sempre foi. A grande questão é como viabilizá-lo.

Que implicações isso traz?

É claro que as implicações de se denominar comunista hoje em dia são graves. Quem assume esse rótulo corre o risco de trazer para os seus ombros o peso de ter que explicar o fracasso das experiências “comunistas” históricas. Corre o risco de ser chamado de stalinista, dinossauro, totalitário, etc. É um risco do qual até hoje eu não sei como escapar. Ainda não encontrei uma palavra substituta adequada para designar aquilo que entendo por comunismo. Para o senso comum, essa palavra tem uma conotação mais negativa do que positiva. Esse balanço é parcialmente correto, em função do fracasso dos regimes descendentes do stalinismo, mas é também incorreto, pois muitas das lutas mais heróicas que aglutinaram os melhores expoentes da humanidade no século XX foram travadas por portadores da bandeira comunista. Como se desvencilhar do legado negativo do stalinismo sem também jogar fora a herança de nomes como Rosa Luxemburgo, Gramsci, Che, etc.? A palavra está carregada de significação negativa, mas anda carrega uma forte carga de identificação com as causas populares mais legítimas e mais prementes. Como sinalizar positivamente a adesão a essas causas sem uma palavra de significado tão forte e agregador? Na falta dessa palavra, não resta outra alternativa a não ser explicar, cada vez que tratar do tema, que o comunismo não é aquilo que existiu naqueles países, etc. E a partir dessa distinção tentar explicar o que ele seria.

Porque resultou em regimes tão atrozes como Rússia, China e Cuba?

O comunismo não é aquilo que existiu na Rússia, China e Cuba, etc. Mas, se não é, por que se acredita que seja? O fato de que o comunismo não tenha existido naqueles países não significa que as experiências que ali transcorreram não têm nada a ver com o comunismo. As experiências daqueles países têm uma relação inquestionável com o comunismo. Mas é preciso explicar qual é o sentido dessa relação. Para explicar o que aconteceu com aqueles países, seria preciso referir-se a especificidades históricas um tanto labirínticas que excedem o espaço aqui disponível. O que se pode tentar fazer, com a ressalva de que se trata de uma violência teórica arriscada, é delimitar o que há de comum nesses fracassos.

Em primeiro lugar, é preciso lembrar que o comunismo, tal como era pensado pelos ativistas teóricos e políticos do início do século XX, era visto como uma transformação que deveria se dar em um nível mundial e a partir dos países centrais do capitalismo, nunca circunscrito territorialmente e temporalmente a países isolados. Mas foi justamente o inverso o que aconteceu e do modo mais dramático. Muitos países se tornaram “comunistas” logo na seqüência de guerras mundiais: Rússia (1917), China (1949); e de processos violentos de descolonização: Cuba, Vietnã, etc. Logo, eram países pobres e devastados. Na luta para defender o poder conquistado, os melhores quadros do movimento comunista foram massacrados. Para manter a máquina governamental em funcionamento, os dirigentes dos PCs chamaram para os partidos os técnicos do capitalismo, engenheiros, administradores, etc. Esses elementos não comprometidos com o movimento, assim como uma vasta gama de oportunistas, arrivistas, corruptos em geral, se transformou na inchada burocracia stalinista, a folclórica “nomenklatura”, constituindo-se numa aristocracia acima dos trabalhadores. Ao invés de ser exercido diretamente pelos trabalhadores, o poder constituiu-se de forma apartada, superior e hostil a eles. O Partido, que viria a ser o instrumento desse poder degenerou num instrumento de poder em si, por força das pressões materiais das sociedades atrasadas em que chegou ao poder. Os regimes stalinistas são a forma congelada de um sistema que tão somente havia iniciado a ruptura com o capitalismo, nas condições mais emergenciais, excepcionais e desviantes possíveis, transformado oportunisticamente por força do cerco imperialista em modelo inquestionável da sociedade futura, obstaculizando objetivamente a construção do comunismo interna e externamente tanto quanto o próprio imperialismo. E por que, então, o comunismo não se realizou nos países avançados onde “deveria”? Mais determinante na história do comunismo do que a vitória da Revolução Russa (embora esta tenha se mostrado mais decisiva para a conformação do século XX) foi a derrota da revolução na Alemanha, por exemplo. Essa é a verdadeira questão, talvez até mais importante, que não poderá ser esgotada aqui, mas tão somente sinalizada em uma das questões seguintes.

Até que ponto o status quo pode ser mudado?

A questão está de ponta cabeça. Na verdade a formulação correta deveria ser “de que modo o ‘status quo’ DEVE ser mudado”. Não existe um “status quo” historicamente inalterável. A história não tem fim, ela é feita pelos homens. Está em suas mãos mudá-la, (ou deixá-la como está). Pensar o oposto seria incorrer em dois erros: anti-historicismo (o mundo e a humanidade são sempre iguais e não podem ser qualitativamente modificados); e mecanicismo (o “status quo” é uma máquina com lógica própria, inacessível ao ser humano). Anti-historicismo e mecanicismo são defeitos necessários da ideologia capitalista, a qual estabelece que a “natureza humana” é egoísta e individualista (um absurdo histórico) e que o mercado é um “mecanismo neutro” de administração das relações produtivas (uma mentira com fins políticos). Ironicamente, o próprio Marx é acusado por seus detratores burgueses de ser anti-historicista e mecanicista, uma curiosa forma de ocultar o pecado que eles mesmos cometem. Teremos oportunidade de discutir isso em algumas das questões seguintes.

É possível sair do capitalismo?

No espírito da resposta anterior, não apenas é possível como é também necessário e urgente. O capitalismo não existiu desde sempre. Assim como foi criado, pode ser destruído. O capitalismo não é o fim da história, uma determinação inscrita na “natureza humana”. É um sistema de controle sócio-metabólico, indubitavelmente o mais poderoso, dinâmico e abrangente que já existiu, mas ainda assim, é apenas uma mera criação humana. O capitalismo precisa da humanidade para continuar existindo. O homem não precisa do capitalismo. Assim como a humanidade vivia antes dele, poderá continuar a viver depois.

Essa é uma primeira resposta no plano filosófico dos princípios ontológicos. No plano concreto, é preciso determinar a afirmação de que “o capitalismo precisa da humanidade”, pois nessa dependência está a fragilidade do sistema. O capitalismo precisa da humanidade para se utilizar dela de DETERMINADO MODO. Precisa de braços para a produção, mas precisa remunerar esses braços abaixo do seu valor para se apropriar da mais-valia. Precisa de consumidores, mas não pode distribuir renda para que todos consumam. Precisa do Estado para manter a lei e a ordem necessárias ao processo de reprodução societal, mas as megacorporações não podem se submeter às regulamentações do Estado para continuar lucrando. Precisa do Estado para organizar racionalmente a vida social, mas não pode criar um único Estado global, do que resulta uma série de contradições subalternas: a que opõe os grandes Estados capitalistas entre si nas grandes disputas diplomáticas, estratégicas e comerciais; a que opõe o conjunto dos Estados subdesenvolvidos ao bloco dos Estados capitalistas centrais; a que opõe as aspirações de cada povo em particular à própria incapacidade de seu Estado nacional de viabilizá-las em face do poder do capital global. Precisa de desempregados para manter baixo o preço da força de trabalho, mas não tem solução aceitável para impedir que as massas desempregadas se destruam na fome, na doença e no crime. Precisa desenvolver a ciência e a tecnologia, mas não pode permitir que sejam usadas para resolver diretamente os problemas humanos (reduzindo drasticamente e globalmente o tempo de trabalho e distribuindo as conquistas como qualidade de vida). Precisa fabricar armas, (o complexo industrial consome trilhões de dólares e é capaz de destruir a vida na Terra centenas de vezes), mas é incapaz de produzir comida, roupa, remédios, moradia, cultura, etc, para pelo menos 4/5 da humanidade (e diante desse monumental fracasso civilizacional do capitalismo, a queda do “comunismo” empalidece como um simples tropeço). Precisa produzir bens de consumo, (carros, eletroeletrônicos, luxo, etc), mas o faz desperdiçando recursos e destruindo o meio ambiente.

O capitalismo precisa da humanidade, mas para continuar a destruí-la. A condição sine qua non para a subsistência do capital é a reiterada negação das potencialidades humanas. Logo, de modo inverso, a condição para a sobrevivência da humanidade é a superação do capital.

Sabe, tudo que eu queria é que Marx estivesse certo, de que o capitalismo seria um sistema auto-destrutivo.

Como foi dito na resposta anterior, o capitalismo é de fato auto-destrutivo, mas em sua destrutividade ele arrasta consigo a humanidade inteira. Logo, Marx estava certo ao antever a autodestruição do sistema. Tristemente certo. Mas ele estava tragicamente errado ao calcular a escala de tempo na qual tal fato se daria. Tendo morrido em 1883, ele antevia a construção do comunismo como um processo que se arrastaria por décadas de penosos sacrifícios, idas e vindas. Hoje descobrimos que se arrastará por séculos. É claro que esse erro de cálculo tinha suas razões históricas e objetivas, como teremos ainda oportunidade de ver adiante.

Esse erro nada desprezível não invalida a perspectiva marxiana global, mas reafirma-a dramaticamente. Marx afirmou, sim, que o sistema é auto-destrutivo mas nunca afirmou que dessa hecatombe emergiria automaticamente o comunismo como uma realidade pronta. Se o fizesse, seria anti-historicista e mecanicista. Na concepção marxiana, a história é um processo aberto e nunca fechado. A luta de classes não se chama “luta” por acaso, mas justamente porque se trata de uma disputa. Como qualquer disputa, constitui-se de vitórias e derrotas parciais. A persistência do capitalismo é uma vitória das classes que assumem a função subjetiva de personificações do capital e uma derrota para o restante da humanidade. Essa derrota pode prosseguir indefinidamente. A barbárie é um poço sem fundo. No limite, podemos chegar ao deserto do real de “Matrix”, com os homens fornecendo diretamente energia para as máquinas.

A vitória da humanidade não está assegurada mecanicamente por nenhuma sorte de “astúcia da razão”. A ordem de reprodução sócio-metabólica do capital tende inercialmente a permanecer inalterada se não for enfrentada como um todo, com seus múltiplos componentes articulados reforçando-se mutuamente: Estado, mercado, ideologia, moral, etc.. Criar uma ordem alternativa significa romper essa inércia dos componentes que se auto-reforçam mutuamente em direção a uma nova lógica onde os interesses humanos sejam efetivamente contemplados. Enfrentar o sistema como um todo não significa destruir todos os seus componentes de uma só vez, mas encontrar as brechas para romper o dique da opressão, desencadeando uma nova dinâmica objetiva que se imporá por si mesma. Uma vez que o jogo virar ao seu favor, a nova dinâmica histórica produzirá um mundo qualitativamente diferente. É nessa perspectiva que se pode vislumbrar, na autodestruição do sistema, a reconstrução da humanidade.

Será que estamos presenciando a sobre-vida dele?

Com certeza estamos presenciando a sobre-vida do sistema. Sobre-vida é um conceito extremamente adequado para descrever a situação atual. O capitalismo vive hoje a fase terminal de sua crise estrutural permanente. A crise estrutural se manifesta com o aguçamento de todas as contradições expostas anteriormente nas questões anteriores, contradições insolúveis dentro dos marcos do sistema. As contradições são insolúveis, mas o sistema cegamente tenta administrá-las por meio de seus mecanismos de deslocamento político-ideológicos (guerras, recolonizações, planos econômicos, mistificações midiáticas, etc). As tentativas de solucionar por tais meios paliativos desesperados os problemas fundamentalmente inadministráveis da lógica do capital resultam inevitavelmente no aprofundamento desses mesmos problemas, à maneira de alguém que, para cobrir de terra os buracos que deixou atrás de si, cava novos buracos cada vez maiores. A crise estrutural, com todos os sintomas anteriormente levantados, é uma determinação histórica objetiva que se materializa nas últimas três décadas do século XX, colocando desafios cada vez mais dramáticos para a humanidade que terá de conviver com eles. Essa situação é qualitativamente diferente daquela na qual Marx projetava a implosão do sistema numa escala de tempo que se media em décadas. No século XIX o capitalismo já trazia em si os germes de todas aquelas contradições, facultando a Marx a oportunidade de sumariá-las magistralmente em “O Capital”. Mas apenas alguns desses germes estavam plenamente desenvolvidos num sistema que apenas acabara de alcançar sua forma plena de maturação no cenário geograficamente restrito da Europa Ocidental, devendo ainda experimentar uma longa trajetória de lutas para se impor globalmente. A contradição mais evidente era aquela que opunha superprodução e subconsumo. O capitalismo remunerava muito pobremente a mão-de-obra e obtinha com isso uma violenta margem de mais-valia absoluta. Mas essa mais-valia não era inteiramente consumida pelos capitalistas, pois o próprio mercado de bens de consumo duráveis ou de luxo era subdesenvolvido (ainda não existia, por exemplo, o automóvel de passeio) e sim reinvestida em mais produção. O século XIX é delimitado economicamente por duas revoluções industriais que aumentaram substancialmente as forças produtivas sociais.

Quanto mais aumentava a produção, maior era a crise de subconsumo. Essas crises se manifestavam de duas formas: explosivamente em ciclos econômicos de depressão em seguida às ascensões (crises cujo maior exemplo foi a de 1929); e gradualmente na tendência constante de queda da taxa de lucro que obrigava as corporações a se tornarem cada vez maiores.

Era nesse marco histórico que Marx vislumbrava a queda do sistema. Não estava em seu horizonte histórico vislumbrar objetivamente as soluções encontradas pelo capital para sua crise fundamental latente, ao longo do século XX. Basicamente, encontraram-se meios de se consumir o excesso de produção: guerras (duas Guerras Mundiais), armamentos (complexo industrial militar/Guerra Fria), desperdício (consumismo do “american way of life”) e um pouco de distribuição de renda (o “wellfare state” europeu). As soluções temporários providas por essas válvulas de escape permitiram deslocar provisoriamente as contradições do sistema, evitando a eclosão de sua crise estrutural. A eficiência de tais válvulas de escape se esgotou inevitavelmente num momento histórico que se pode situar aproximadamente a partir de 1970. Logo, neste início de século XXI, estamos em plena sobre-vida do sistema.

Quando finalmente irá implodir?

A questão não é quando o sistema implodirá. O sistema implodiu, mas ainda não afundou, como um Titanic que ainda não sabe que foi atingido pelo iceberg. E mais importante do que “quando” é DE QUE MODO o sistema implodirá. Como foi dito em questões anteriores, a simples implosão do sistema não é a garantia imediata da subseqüente emancipação da humanidade. O projeto comunista não se limita à dimensão negativa de rejeitar o atual sistema e postular sua destruição, mas necessita de uma inescapável dimensão positiva e propositiva, a necessária construção de alternativas viáveis de administração racional dos intercâmbios sócio-metabólicos humanos.

O chamado “comunismo” fracassou porque não foi capaz de remover o modo de articulação das relações produtivas profundamente incrustado desenvolvido pelo capital. Os países “comunistas” de fato derrubaram o capitalismo, mas não derrubaram o capital, que se define como sistema de produção alienado. O trabalhador soviético era tão alienado quanto o capitalista, pois não tinha em suas mãos nenhum poder substantivo sobre o mecanismo de produção social. Uma alternativa comunista minimamente viável terá como tarefa inescapável a devolução aos sujeitos sociais de seus poderes econômico-políticos alienados pelo capital e pelo Estado. Sem a efetiva administração social por parte dos produtores associados, articulados em instâncias de decisão radicalmente democráticas em nível local, nacional e mundial, qualquer tentativa de revolução não passará de um golpe de uma vanguarda “iluminada” condenada a repetir o fracasso da burocratização stalinista. A administração dos produtores associados terá como parâmetro a medida do tempo disponível como meio de articulação racional dos recursos tecnológicos e materiais herdados, em direção a uma forma superior de relacionamento homem-natureza/indivíduo-sociedade. Nos termos de uma alternativa construtiva de auto-organização dos trabalhadores e apenas assim, a implosão do sistema resultará em algo positivo.

Torço e espero contribuir de alguma forma para que isso aconteça.

O espírito da coisa é justamente esse: a tarefa não será de nenhum dirigente “iluminado”. Como foi dito no início, é possível falar em comunismo apenas na perspectiva do indivíduo social enriquecido por novas relações sócio-econômicas, políticas e culturais de autonomia e auto-organização coletiva, em contraste com a limitada perspectiva do individualista-egoísta da ética capitalista.

Padrão
Entrevistas

Ocupação da USP & Movimento Estudantil no Brasil

Em maio de 2007 estudantes paulistas da maior universidade do país decidiram fazer uma greve, que acabou se espalhando para outros setores da USP e também para vários estados do Brasil, contra uma medida do governador de São Paulo, José Serra, que previa a criação de uma secretaria superior que se tornaria a decisão final à tudo que concerne ao ambiente universitário de certas instituições, “administrando” estes locais. Com isso, o medo era que se perdesse a autonomia e o controle ficasse na mão de interesses escusos, de gente que, além de tudo, não estaria diretamente envolvida no que ocorreu dentro dos campus.


A greve, que durou mais de um mês, acabou bem sucedida pois fez que Serra recuasse em seus objetivos preliminares e fizesse várias concessões que atenderam às reinvidicações feitas. A mídia brasileira, em sua maioria, fez uma cobertura parcial e duvidosa do movimento, centrando-se nos pontos negativos da greve e de tom claramente reacionário, com algumas honrosas exceções, como programas de debate na TV que trouxeram várias partes para serem ouvidas e a Carta Capital.

Entrevista – Daniel M. Delfino

30 anos, formado em sociologia, cursando o oitavo período de filosofia da USP, Daniel Delfino, marxista assumido, sempre esteve envolvido em movimentos sociais e grupos de resistência: é um pensador que sai da teoria e vai para as ruas, demonstrar na prática o que seus escritos denunciam e os objetivos que apregoa. “”Não se revoltarão enquanto não tiverem consciência e não terão consciência enquanto não se revoltarem”, é com esta passagem de Orwell em mente que Delfino produz seus escritos. Uma conversa franca com quem esteve por dentro do movimento.


– Quais os antecedentes históricos da ocupação da USP realizada este ano?

Os antecedentes mais gerais do movimento que teve seu foco na ocupação da reitoria da USP estão na política geral de sucateamento do ensino público em curso no Brasil. As Universidades públicas estão sendo asfixiadas por cortes de verbas que impossibilitam a contratação de professores e servidores, submetem esses profissionais ao arrocho salarial, precarizam as condições de moradia e assistência estudantil, rebaixam as próprias condições de ensino, pesquisa e extensão da universidade, seus laboratórios, bibliotecas, etc. Ao mesmo tempo, os empresários da educação estão sendo premiados com a compra de vagas ociosas na rede privada com dinheiro público por meio de programas de “inclusão social” como o PROUNI. Esse conjunto de medidas configura uma concepção de educação e de serviços públicos em geral em que o “mercado” deve ser a instância capaz de atender às necessidades da sociedade, ao passo em que o Estado se omite de sua tarefa de, através das Universidades, projetar estrategicamente o futuro da sociedade, sua infra-estrutura científica e tecnológica, sua formação cultural, a capacidade crítica de seus cidadãos, etc.

Esse processo geral de sucateamento da educação pública está em curso no Brasil há mais de uma década e as universidades estaduais paulistas não são exceção a ele. O movimento estudantil já estava atento a essas medidas e tentava combatê-lo. A última grande greve na USP aconteceu em 2002 reivindicando justamente a contratação de professores para repor as vagas daqueles que se aposentavam.


– Na visão de alguém que esteve envolvido diretamente no ocorrido, como os estudantes se organizaram para fazer suas reinvidicações? A direção da universidade foi flexível e aberta para a negociação?


O processo de organização tradicional são as assembléias por curso, por unidade e a assembléia geral dos estudantes. As assembléias votam uma pauta de reivindicações e elegem uma comissão de negociação encarregada de discutir com as autoridades. A reitora da USP, entretanto, se recusou a receber a comissão eleita pelos estudantes.

Uma vez que a direção máxima da USP se recusou a defender a universidade contra os ataques do governo, os estudantes legitimamente tomaram essa defesa nas próprias mãos e ocuparam a reitoria. A reitora “fugiu” da USP e um número significativo de estudantes permaneceu acampado no prédio da administração por 51 dias. A partir da ocupação, desencadeou-se a greve dos estudantes, professores e funcionários. O governo ameaçou usar a tropa de choque para desocupar a reitoria pela força, mas os estudantes decidiram ficar. A tropa de choque permaneceu fora do campus, e a partir daí o movimento se fortaleceu. A reitora foi forçada a negociar a pauta dos estudantes para encontrar uma saída para o impasse.

– O que ocorria nas assembléias? Foi algo organizado e uno no sentido de uma direção comum das diversas partes envolvidas ou houveram focos de discordância, pelegos e interesses escusos reunidos?


No auge do movimento as assembléias eram massivas e representativas. Havia sempre algo em torno de 2 ou 3 mil estudantes, sendo que o segmento mais numeroso era composto pelos estudantes de ciências humanas. A direção “oficial” das atividades caberia ao DCE (Diretório Central dos Estudantes), entidade hierarquicamente superior aos Centros Acadêmicos de cada curso. Entretanto, os partidos políticos que dirigem o DCE (PT, PCdoB e MR8-PMDB) estavam contra a luta e tentavam encaminhar propostas contrárias à greve e à ocupação. Acabaram, portanto, sendo desconhecidos pelo conjunto dos estudantes, que deu continuidade ao movimento à revelia de sua direção oficial. Foram praticamente expulsos das assembléias.

O movimento dos estudantes da USP se estruturou de forma “clandestina”. Na ausência do DCE e dos CAs, os estudantes na ocupação se organizaram em comissões encarregadas de tarefas específicas (segurança, limpeza, alimentação, comunicação, etc), descentralizadas, horizontais, autônomas e auto-geridas. A ausência de uma liderança oficial dificultou o trabalho da repressão. Por outro lado, esse modelo de organização foi resultado de uma improvisação e se manteve sempre funcionando de maneira problemática.

Ao longo do processo, identificaram-se diversas divergências táticas e estratégicas entre os representantes de diferentes linhas políticas nele envolvidos. Havia as linhas particulares dos diferentes agrupamentos políticos engajados na ocupação e na greve, como PSOL, PSTU, PCO, LER, etc., e a linha dos estudantes “independentes”, não ligados a nenhum partido, os anarquistas, etc. Esse segmento independente teve bastante peso nas atividades do movimento e da ocupação em particular, mas muitas vezes desconhecia resoluções de assembléia, descumpria tarefas, descuidava das atividades, esvaziava as comissões, etc. A continuidade da greve e da ocupação em cada assembléia era a resultante do debate entre essas correntes. E o debate nem sempre era cordial, mas pelo contrário, expunha disputas que iam além da divergência política e resvalavam na rivalidade física entre as diversas correntes (vício recorrente da esquerda brasileira). No final do movimento, cada organização acusava a outra de haver errado na condução da luta, de haver feito reivindicações irreais, de haver recuado quando ainda não era a hora, de haver traído, etc.


– O que você identifica como os principais problemas encontrados durante o episódio e quais frutos ele gerou? Foi válido, num todo?


O principal problema do movimento é a despolitização geral e a falta de participação do conjunto dos estudantes. Nem todos os cursos da USP aderiram à greve e nem todos apoiavam a ocupação. O setor engajado no movimento foi sempre minoritário. A diferença em relação aos anos anteriores é que essa minoria constituía uma massa suficientemente grande para dar vida ao movimento. Faltou, porém, capacidade de articulação política das lideranças estudantis entre si e de maior integração com o conjunto dos estudantes.

Apesar de todas essas debilidades, o movimento teve força suficiente para fazer o governador recuar. Os decretos foram “reinterpretados” e acabaram não sendo plenamente implantados. Nesse sentido, o movimento obteve uma vitória extraordinária. A pauta de reivindicações não foi atendida no seu conjunto e ficaram várias questões pendentes, mas no geral os estudantes saíram fortalecidos.

O saldo mais importante do movimento foi o exemplo organizativo legado aos estudantes de outras universidades.

A “moda” da ocupação de reitorias se espalhou pelas universidades do país naquele período e desencadeou uma série de processos de luta direta como há muito tempo não se via. Esse processo teve reflexos tardios que se prolongaram até recentemente, com episódios semelhantes na Fundação Santo André (entre setembro e outubro) e na PUC (agora em novembro). O movimento estudantil saiu nacionalmente fortalecido e rompeu a estagnação em que a UNE o havia deixado. Nesse sentido, o saldo foi extremamente positivo.


– Como você analisa a cobertura da mídia sobre o processo? Ela foi isenta?


A mídia exercitou uma aparência de imparcialidade, pois chegou a mostrar a justeza de algumas das reivindicações dos estudantes e criticar a ameaça de Serra de usar a tropa de choque no campus, coisa que aconteceu pela última vez na época da ditadura militar (1968). Essa tentativa de parecer imparcial se justifica também pelo fato de que a maioria dos estudantes da USP (e especificamente os que permaneciam na ocupação) ser de extração social pequeno-burguesa e burguesa, camadas que constituem também o público consumidor dos grandes jornais e revistas (os trabalhadores que freqüentam a USP, no geral uma minoria e geralmente em cursos noturnos, por mais que desejassem apoiar e participar do movimento, evidentemente não podiam ficar acampados na reitoria, nem infelizmente participar de assembléias prolixas que se arrastavam meia-noite adentro).

Em função dessa extração social, os estudantes não podiam ser atacados diretamente. Tinham que ser desgastados indiretamente. Foram expostos como “rebeldes sem causa”, nostálgicos de uma época que não viveram, “revolucionários de araque”, pálidos reflexos de 1968, etc. As debilidades, incoerências, inexperiência, das organizações de esquerda foram fartamente ridicularizadas pelos articulistas de direita.

O que a mídia jamais aceitou, porém, foi o método de luta. A via da luta direta (ocupação) era tratada como atividade criminosa, na mesma linha com a qual se condenam as ações dos sem-terra ou sem-teto. O respeito à propriedade é o valor fundamental que pauta a mídia. Toda ação com conteúdo de transgressão, invasão, ocupação, expropriação, precisa ser devidamente demonizada, descaracterizada e combatida. Mesmo que esse método tenha sido o único que restou.


– Você considera que o movimento estudantil no Brasil ainda é forte e atuante? Se sim, quais as principais frentes de luta hoje em dia? E, se não, o que ele perdeu ao longo do tempo e quais seriam alguns dos caminhos para se reestruturar?


O movimento estudantil foi fortíssimo nos anos 1960 (até ser reprimido pela ditadura) e 1980 (colaborando para o fim da ditadura) e atualmente vive uma fase embrionária de retomada, cujo principal marco foram os acontecimentos da USP em 2007. A ocupação da reitoria durou 51 dias e acabou se constituindo no principal foco de atenção; mas no geral o movimento era muito mais amplo e mais rico do que o fato de que um grupo de estudantes permaneceu acampado na reitoria. Esse movimento se constituiu de assembléias massivas, de piquetes diários para garantir a greve e a paralisação das aulas, de atividades de greve, como palestras, debates, apresentações culturais; e de atividades exteriores à universidade, como as passeatas. Tudo isso consumiu o esforço de uma ampla camada de ativistas, cada um com maior ou menor grau de engajamento.

Esses ativistas, muitos dos quais recém-despertaram para a luta política, estão defrontados com a duríssima tarefa de enfrentar os ataques à educação superior, que prosseguem. Depois do PROUNI, é a vez do REUNI, que generaliza para o conjunto das universidades federais uma série de medidas de arrocho financeiro e perda de autonomia semelhantes àquelas que desabaram sobre a USP. Para fazer frente a esse processo de sucateamento o movimento carece de uma urgente reestruturação, que passa pela superação das direções tradicionais (como a UNE, que repete no plano nacional a postura fatídica do malfadado DCE da USP).

A superação dessa direção é uma tarefa para a qual será decisiva a atuação da vanguarda organizada. No interior da camada mais ampla de ativistas localizam-se os militantes das correntes políticas, que são geralmente os dirigentes dos CAs de cada curso. Caberia a esse núcleo militante a tarefa de integrar o conjunto dos estudantes ao movimento. Essa tarefa deveria ser uma prática cotidiana dos militantes e das entidades estudantis, mas já não é realizada há muito tempo. Desse modo, as entidades e as correntes políticas que nelas atuam acabam aparecendo apenas na época das greves (nas universidades públicas a greve praticamente faz parte do currículo) e das eleições dos dirigentes.

A quase inoperância prática das entidades estudantis é um reflexo das debilidades acumuladas das organizações da esquerda. De modo geral, as organizações se perdem em discussões bizantinas nos conventículos “revolucionários” e não desenvolvem trabalho de base, não dialogam com a massa dos estudantes na sala de aula, expressam-se numa linguagem à parte, desconhecem as questões cotidianas dos cursos. As mediações pelas quais as questões imediatas poderiam ser relacionadas às questões gerais das universidades e da sociedade são ignoradas e com isso se perde a possibilidade de mobilizar um número maior de estudantes. As entidades estudantis aparecem já com uma pauta pronta, que parece estranha à massa dos estudantes, que por não se sentirem representados por aquele discurso, afastam-se do movimento.

De modo geral, é saudável que existam diversas posições diferentes contribuindo na construção do movimento. O problema é que boa parte das organizações da esquerda está mais preocupada em impor sua própria linha política do que em fortalecer o movimento no seu conjunto. As propostas das diferentes organizações são apresentadas e defendidas pelos respectivos militantes como se sua aprovação fosse questão de vida ou morte, mesmo quando tais propostas nem sequer manifestam diferenças substanciais, como acontece muitas vezes. O que importa para cada organização é aparecer mais que a outra e fazer uso do microfone mais vezes nas assembléias. Consolidou-se assim no senso comum da maioria dos estudantes uma certa consciência “anti-partido”, hostis às organizações políticas, materializada no segmento dos estudantes “independentes”. De acordo com essa forma de consciência, toda e qualquer organização política ou partido somente se forma em função de interesses escusos e como tal precisa ser combatida.

A reestruturação do movimento estudantil exigirá portanto uma revolução metodológica na atuação dos militantes e dirigentes das entidades, de modo a readquirir a confiança das bases, superar o pensamento anti-partido e incorporar a massa mais ampla dos estudantes ao movimento.


– Numa abertura mais ampla, enxerga a sociedade brasileira cônscia de seus problemas, empenhada no debate político e preparada para efetuar uma mudança no processo histórico? O que se anuncia no horizonte e, neste momento ímpar da história nacional – onde as forças políticas se aglutinam praticamente numa única via – como a luta de classes atua e qual o nosso papel nisto tudo?

Numa visão mais ampla a sociedade está num compasso de espera, mas com sombras de inquietação. Cada classe e setor de classe vê as coisas de uma maneira e reage de modo particular. A burguesia segue faturando alto no governo Lula, especialmente os segmentos dos banqueiros e do agronegócio. Entretanto, os partidos tradicionais da direita procedem uma tentativa de “despetização” do Estado, tentando arrancar os neopelegos do PT das sinecuras onde foram alojados por Lula, através dos escândalos de corrupção sistematicamente jogados ao ventilador. Enquanto isso, no dia a dia das lutas sociais, a repressão se abate sobre os ativistas da classe trabalhadora, com mortes, criminalização, prisões, perseguição, demissões. Os diversos segmentos da classe trabalhadora mostram-se ainda incapazes de uma ação coordenada contra essa ofensiva da burguesia.

Parte dos setores organizados da classe trabalhadora, como servidores públicos, professores, metalúrgicos, bancários, que (junto com a pequena-burguesia e a intelectualidade) constituíam a sustentação eleitoral e política do PT, desmobilizaram-se ao longo do governo Lula, seja por decepção com os rumos que foram tomados e desencanto com a luta; seja por adesão ao projeto de administração “em fogo brando” do capitalismo periférico brasileiro e suas misérias.

Um dos métodos de administração consiste justamente na cooptação dos setores desorganizados da classe, os pobres da cidade e do campo, que via bolsa-esmola, tornam-se materialmente dependentes e ideologicamente anestesiados pelo assistencialismo, portanto incapazes de reagir e lutar contra a miséria em que estacionaram.

Por outro lado, parte dos setores organizados partiu para a luta. E na luta, defrontaram-se exatamente com o PT como seu maior obstáculo. As entidades “oficiais” do movimento sindical e popular (CUT, UNE, MST, pastorais sociais da Igreja) são dirigidas por integrantes do PT e estão mais preocupadas em defender o governo Lula do que em encaminhar de fato lutas de interesse da classe trabalhadora (pois essas lutas necessariamente teriam que se chocar contra Lula). Nesse caso, as lutas (das quais o movimento dos estudantes da USP é um reflexo) tiveram que ser encaminhadas por entidades paralelas, improvisadas, “clandestinas” ou ainda embrionárias, como a Conlutas (Coordenação Nacional de Lutas).


Essa reorganização embrionária da classe trabalhadora é ainda incipiente diante da imensa tarefa de enfrentar aquele projeto de gestão do capitalismo periférico, sustentado por um amplo e coeso bloco de forças sociais (bloco que além da burguesia, seus partidos, seus gerentes de plantão no governo Lula e no PT, conta com o apoio maciço da grande mídia). Entretanto dada a própria natureza desse capitalismo periférico, a sua gestão tende a se tornar extremamente problemática, tão logo se esgote o atual ciclo periódico de expansão da economia capitalista mundial (ciclo cujo início coincide com o do próprio governo Lula) e tenha início o próximo ciclo de recessão. Nesse momento, os ataques da burguesia e do governo deixarão de ser levados “em fogo brando” e serão desencadeados celeremente com toda sua virulência.

A tarefa que se coloca para enfrentar esses ataques é fortalecer as novas instâncias paralelas, improvisadas e embrionárias de articulação da classe trabalhadora, agregar a elas os setores ainda dispersos e confusos da classe, furar o bloqueio da mídia, do senso comum, das direções neopelegas e difundir o mais amplamente possível a consciência da necessidade de se organizar e lutar.

Padrão