Filmes

Inception: muito por nada

Fui assistir Inception com a melhor expectativa possível e quase tudo a favor do filme: desde que vi o trailer nos cinemas ano passado criei uma boa imagem do projeto. Minhas restrições com Christopher Nolan eram razoáveis (gostei de The Dark Night, por exemplo, apesar de cair fortemente na revisão), considero Di Caprio ótimo ator, subestimado até, que vem escolhendo bem as produções que participa. Ignorei o oba-oba irrestrito que acompanhou o lançamento, com 90% de aprovação de público e mídia. Até porque geralmente o que me interessa é justamente os 10% restantes.

Pois minha sensação após as 2 horas e meia de filme foi: é só isso? Mesmo? A “complexidade” aqui é tão rala e forçada que convence pouquíssimo. As cenas de ação são óbvias e no automático demais. Tudo parece um cozido mal feito de outras ideias e outras concepções infinitamente melhor exploradas antes. Marion Cotillard desperdiçada num histrionismo irritante. Di Caprio perdido e sobrecarregado, com o peso de ancorar boa parte do drama, da liderança e responsabilidade do filme. E o eixo reinante do casal, fundamental para o roteiro, prejudica sobremaneira a película. Algo que poderia ter sido tratado de forma muito mais eficaz e menos cacete.

Nolan cai em todos seus vícios costumeiros. Os rodeios desnecessários. As “dicas” soltas dignas de um seriado chinfrim e pretensioso. Um bom elenco mal dirigido e um roteiro sofrível, que serve apenas para ele dar vazão às suas pulsões e megalomanias. Assim como “Memento” (Amnésia), filme incompreensivelmente superestimado e badalado, Inception estraga um argumento interessante por falhar em tudo de fundamental que poderia render.

Não empolga em momento algum, nem pela trama, nem pela ação. Uma grande bobagem, apenas. Nolan parece se esquecer que é preciso mais que ganchos primários e toneladas de dólares pra se fazer um filme decente. É exigir demais.

Leia Mais

Standard
Literatura

Dos autores tristemente banalizados: Hermann Hesse

Hesse numa nice, numa tranquila, numa boa

Dá uma série. É inevitável que quando se torne “pop” a obra de alguém seja planificada, esquartejada, reproduzida de modo frenético e gratuito, raramente chegando ao cerne da coisa. No caso das letras, é quando as citações são infinitamente mais lidas e conhecidas do que os livros em si. Mal inevitável e antigo que tomou proporção imensurável na internet: o reino por excelência do faz de conta, da projeção.

Entre os autores que “mais gosto”, há uma categoria especial: os que considero pais. Aqueles que tenho cumplicidade tão grande, que mergulhei tão profundamente, que falam tão diretamente à minha alma que não podem ser colocados lado a lado dos demais. Hesse é um deles. Um dos principais. Com ele aprendi a ser alguém melhor. A pensar e olhar o mundo de outra maneira, literalmente. E se conseguisse aplicar 50% do que Hesse passa, seria alguém incomparavelmente melhor do que sou hoje.

De família protestante, Hesse foi estudar as religiões orientais (tendo viajado longamente para alguns países), especialmente o budismo. Ligado ao início da psicanálise na virada do século XIX/XX (Jung, principalmente) e também pelas marcas da Primeira Guerra Mundial, estes três pontos são fundamentais na sua literatura. Com sua vasta cultura autodidata e a incrível lucidez e sensibilidade para o humano – o que mais me toca nele, inevitavelmente – Hesse acabou por se tornar espécie de ícone do movimento hippie, como um dos autores mais “lidos” e referenciais.

Daí as tentativas fracassadas de ligá-lo ao movimento beatnik (um absurdo sem fim) e o início da popularização de sua obra. A espiritualidade tão forte em Hesse – uma espiritualidade profunda e livre de ranços e maniqueísmos – fala de modo único, dada sua incrível capacidade de colocar as coisas sob um prisma transparente ao mesmo tempo que rico e multifacetado.  Seu profundo conhecimento do cristianismo ocidental em colisão com as bases das religiões orientais geram um caldo irresistível. Ler “Demian” na adolescência, como foi o meu caso, faz bastante diferença. “Demian” é uma bela introdução à obra hesseana, recomendado classicamente para adolescentes dado o poder e simplicidade. Tentei exprimir – com as falhas inerentes – a essência de Demian, ligando-o a outras obras de Hesse e George Orwell, escrito e publicado na época que estava descobrindo tudo isso, em 2004, aos 17 anos.

“O Lobo da Estepe”, sua obra mais famosa, é de pungência assustadora. Harry Haller tornou-se um dos maiores outsiders da literatura, por mais que o termo seja clichê e insuficiente. “Siddartha” é onde Hesse expõe mais diretamente sua relação com  o budismo. “Narciso e Goldmund” vai fundo na psicanálise e história, ambientado durante o período da Peste Negra na Europa. Já “O Jogo das Contas de Vidro”, seu último romance (que lhe deu o Nobel de Literatura em 1946) é o ápice da complexidade e da mente de Hesse. Seu romance final, deliberadamente composto para reunir todas as características de sua obra até então, levando-o a outro nível. Diversos estilos literários misturados e uma infinidade de conceitos e dilemas, “Das Glasperlenspiel” tem força assustadora. No mais, recomendo também a biografia, o “Para Ler e Guardar”, compilação de fragmentos de cartas, pensamentos esporádicos e outros comentários de Hesse e seus diversos contos, sempre arrebatadores. Os demais livros até hoje infelizmente ainda não li.

A banalização é cruel porque reduz toda uma concepção de mundo, estética e filosófica, à uma mero fragmento. Rigorosamente, tudo é banalizado. A simplificação e exposição sucinta de conceitos e pensamentos é um problema quase inescapável. Esse próprio texto. Uma das bases do jornalismo, aliás, como sabemos. Piorado por não se tratar do buraco da rua da esquina que causa problema no trânsito – pra citar um caso diário – mas de coisas que demandam tempo, dedicação, interesse real. Que exigem mais que uma passada de olho rápida. Algo quase surreal em tempos tão estéreis.

A opressão do universo criado em torno do trabalho para total e irrestrita dominação da mente já foi discutida aqui nesse artigo. Sem falar na rede nefasta da própria sociedade.  O problema não é o carinho de alguém por uma obra que não gosta de vê-la jogada como qualquer coisa por aí, a exemplo do que costuma acontecer na música, quando algo se torna popular passa necessariamente a ficar pior para certo grupos de pessoas.  Não se trata de ciúme ou falsa sensação de exclusividade.

Como tudo que me é caro, não posso negar a tristeza pela banalização irrestrita. Mais que isso, perdemos o essencial. Ficam só os rótulos. Para pessoas que costumam receber 800 inserções de propaganda por dia desde crianças – em estudo que lamentavelmente não possuo o link, feito pelo pessoal do Adbusters – parece natural que nos guiemos por marcas e definições baratas. Rejeitando tudo que vá além disso.

A obra de Hesse, como de inúmeros outros (por exemplo Nietzsche que virou bottom de estudante universitário), acabam sofrendo desse mal. A capitalização da cultura não é coisa nova e tampouco obrigatoriamente nefasta, desde que acompanhada de estudo e interesse real. 1% dos casos. Daí que, numa provocação sob isso tudo, cabe a famosa frase de Hesse, extraída de “Lobo da Estepe”: só para os raros. Mesmo.

Leia Mais

Standard
Artigos/Matérias/Opinião

Pensando o impensável (ou, prosperidade sem crescimento)

Toda sociedade precisa de um mito para sobreviver. O nosso é o crescimento econômico. Nas últimas 5 décadas, a corrida pelo crescimento é “o” objetivo mais importante de todo político ao redor do mundo. A economia global atual é 5 vezes maior do que era meio século atrás. Se continuar neste ritmo, será 80 vezes o que era em 2100.

Este extraordinário crescimento não tem precedentes. E acompanha o nosso saber científico sobre os recursos finitos do frágil ecossistema que dependemos para sobreviver. 60% dele já foi totalmente devastado.

Na maioria das vezes, nós evitamos a dura realidade destes números. A preocupação principal – a crise financeira – é como continuar “crescendo” indefinidamente. Não apenas para os países mais pobres, que inegavelmente precisam de uma qualidade de vida melhor, mas também para as nações mais ricas, afundadas na abundância de material publicitário, que começa a ameaçar o seu bem-estar.

As razões para essa cegueira coletiva são fáceis de encontrar. A economia moderna está estruturada sob o “crescimento econômico” para se estabilizar. Quando esse crescimento falha – como aconteceu recentemente – os políticos entram em pânico. O mercado luta para sobreviver. Pessoas perdem seus empregos e até suas casas. A recessão surge. Questionar o crescimento é coisa de lunáticos, idealistas e revolucionários.

Mas a questão vai além. O mito do crescimento econômico falhou para nós. Falhou para as 2 bilhões de pessoas que vivem com menos de 2 dólares por dia. Falhou quando destruiu o nosso ecossistema. E falhou espetacularmente, em seus próprios termos, em prover estabilidade e segurança para a vida das pessoas.

Atualmente nos encontramos diante do fim iminente da era do petróleo barato; o prospecto (para além da bolha recente) é de altíssimo incremento no valor das commodities; a degradação das florestas, lagos e solos; conflitos por água; e, no momento, o desafio de estabilizar a concentração da emissão de carbono na atmosfera. Encaramos estes desafios com uma economia fundamentalmente destruída, desesperadamente precisando de renovação.

Nestas circunstâncias, um retorno ao mercado como ele era não é uma opção. Prosperidade para poucos baseada na destruição do meio ambiente e na injustiça social crônica não é algo aceitável para uma sociedade civilizada. Recuperação econômica é vital. Proteger os empregos das pessoas – e criar novos – também. Mas continuamos diante da necessidade urgente de renovar a divisão da prosperidade.

Buscar estes objetivos ainda soa estranho e incongruente para a agenda política da era moderna. Todo o governo está tomado tão intensamente por preocupações materiais e é engolido pela errônea visão de que somos “livres consumidores”. A concepção de governabilidade, por si só, precisa de uma mudança drástica.

A crise econômica atual nos coloca diante duma oportunidade única de investir na mudança. De afastar definitivamente o pensamento diminuto que foi a praga da nossa sociedade por décadas. Recompor isto com uma política capaz de lidar com essa enorme mudança é vital.

No fim, “prosperidade” vai muito além de desejos materiais. Transcende preocupações materiais. Reside na qualidade de vida e na saúde e felicidade de nossas famílias. Na força dos relacionamentos e da confiança na comunidade. É dada pela satisfação no trabalho e pelo senso de compartilhar um sentido e um caminho. Está presente no nosso potencial de participar ativamente na vida da sociedade.

Prosperidade consiste na nossa habilidade de florescer como seres humanos – respeitando os limites ecológicos de recursos finitos. O desafio para a nossa sociedade é criar as condições de vida sob o que é possível – e não transgredir tudo arbitrariarmente. Este é o dever mais urgente de nossos tempos.

(Tim Jackson, de “Prosperidade Sem Crescimento“)

Traduzido livremente por mim, daqui.

Leia Mais

Standard
Jornalismo

A “ditabranda” da Folha de S. Paulo, por Carlos Latuff

herzog_latuffJá faz certo tempo que o episódio ocorreu. Às vezes, o absurdo é tão grande, que uma imagem expressa melhor que artigos imensos. “Imagem” que encontra nas charges um dos melhores retratos históricos da política do Brasil.

Esta, de Carlos Latuff, não menos que genial, percorreu milhares de sites e blogs internet afora. Vale – muito – divulgá-la mais ainda.

É simplesmente inconcebível que um ser humano em pleno uso de suas faculdades mentais seja capaz de escrever uma atrocidade destas. Parece que o processo de seleção da Folha não é tão rigoroso como eles costumam apregoar. E há muito, muito por trás deste “deslize”…

Leia Mais

Standard
Artigos/Matérias/Opinião

Tem que ler: Noam Chomsky – Acerca do pós-modernismo, teorias, modas

noam-chomsky

Imagem: Writersmugs

Noam Chomsky é um dos maiores intelectuais do último (e deste) século. De obra incrivelmente vasta, plural e de atuação notável tanto em termos práticos como teóricos, Chomsky merece estudo aprofundado e considerável respeito. Como eu, você não precisa concordar com todas as posições e idéias dele. Aliás, unanimidade intelectual não existe. Tampouco identificação palavra-por-palavra. Uma vez que a leitura e a dialética pressupõe uma troca de argumentos e uma interpretação própria sob o objeto estudado, deveria ser básico compreender que sempre que recomendamos alguém, esta leitura deve ser feita com cuidado e sob o seu espírito crítico.

Pois. No texto abaixo – que li há alguns anos e me tocou de imediato – Chomsky desmascara boa parte da prosa “hermética” e inútil que a crítica e filosofia tomou no século XX. Coloca em xeque muitas teorias, adorações, práticas e discussões que muitas vezes carecem de total sentido e são incapazes de servirem para algo. Derrida, Foucault e cia, com quem o próprio Chomsky travou discussões que viraram até livro, se não me engano, são criticados com competência e domínio. Recomendado para todos. Que bom é um pouco de lucidez.

Acerca do pós-modernismo, teoria, modas, etc.

Leia Mais

Standard
Esportes

Adeus, Dunga?

Dunga e seu modelito duvidoso (criado pela filha), com a tradicional feição preocupada à beira do gramado

Dunga é uma destas invenções da CBF. Praticamente inexperiente como treinador, foi instantaneamente catapultado à liderar a principal (e mais cobrada) seleção de futebol do mundo. Ano passado, sem motivo aparente, apesar da conquista da Copa América – dum futebol sofrível – foi escolhido o melhor técnico do planeta, provavelmente quem votou não viu a seleção jogar.

Agora, o Brasil passa por um dos piores momentos nas Eliminatórias, mas, além disso, o que causa preocupação é o “futebol” horroroso demonstrado pelo time. Falta de padrão, técnica, entrosamento, espírito coletivo, ânimo, jogadas…uma equipe totalmente solta a esmo, perdida em campo, onde não se vê, em absolutamente nada, a mão do treinador. Como se não bastasse, Dunga, com seu temperamento difícil, já cansou a imprensa e o próprio auxiliar, Jorginho, bem como alguns jogadores, a exemplo de Kaká, que deu declarações em que alfinetava o comandante ao programa “Bem, Amigos”, da Sportv.

Não é só a torcida – entoando “Adeeuus, Dungaaa, adeeuus, Dungaaa” após o medonho empate com a Argentina no Mineirão – que torce pela saída. Percebe-se, de modo nítido na imprensa, da cobertura após o resultado frente aos “hermanos”, um tom claramente favorável à tentar propiciar, de alguma forma, a saída do treinador do comando da seleção brasileira. Os textos desferem inúmeros ataques sutis à credibilidade do técnico, aproveitando toda e qualquer ligação para alimentar este clima precoce de “adeus”.

Justifica? Sim. E este é um sinal claro de que ele não deve durar muito no cargo. Sem um técnico decente, a “equipe” torna-se apenas um amontoado de jogadores reunidos às pressas que não sabem o que fazer em campo. É péssimo treinador e tem péssimo carisma: ou seja, falha na técnica e falha ao tentar propiciar um ambiente agradável e psicologicamente estimulante aos jogadores.

Substituí-lo é uma questão complicada. Muricy Ramalho, atual São Paulo, já provou que é capaz dentro de campo e é queridinho da imprensa. De estilo também rabujento, pelo menos tem qualidade para sê-lo. Outro nome possível seria o de Zico, que fez trabalho razoável na seleção do Japão e um melhor ainda no Fenerbahçe, da Turquia, ao levar o time a absolutamente inédita classificação para as quartas-de-final da Liga dos Campeões da Europa. Zico, contudo, tem um relacionamento conturbado com Ricardo Teixeira, fruto principalmente da fatídica Copa de 98, quando fazia parte da comissão, e dificilmente deve ser chamado. Vanderlei Luxemburgo, além de já ter virado muito mais empresário e marketeiro do que técnico de futebol, teve sua chance e desperdiçou. Seria um retrocesso entregar a ele novamente.

A questão está em aberto. Dunga pode até durar um pouco mais no comando, mas o futebol da Seleção Brasileira já deu adeus dos gramados faz tempo. Ainda bem que não jogamos a Eurocopa.

  • Leia Mais

  • Standard
    Artigos/Matérias/Opinião, Política & Economia

    Estudo de caso: revista Veja

    Artigo originalmente escrito em 12.10.2005

    Estudo de caso: revista Veja

    Por Maurício Gomes Angelo

    A Veja, maior revista do país, e tida como referência pela sociedade, é acusada historicamente de ser direitista e “tucana”, o antro, par excellence, da burguesia nacional. Para alguns, a acusação é um disparate, para outros, nada mais óbvio e perceptível. Veremos o quanto de verdade há nisso.

    Para tanto, pegaremos uma recente edição da revista, número 1925, 5 de outubro de 2005, ano 38. Sua matéria de capa, “7 razões para votar não”, já fora dissecada em meu artigo anterior, “Duplo Assassinato”, logo, pinçaremos outros pontos que não os presentes na reportagem principal.

    Como revista de maior tiragem do território nacional, usada como fonte por escolas e faculdades, tradicional, respeitada, e portanto, muito influente, o mínimo que se poderia esperar é um jornalismo austero, equilibrado, imparcial, de qualidade inquestionável. Não é, infelizmente, o que acontece.

    Sabe-se que, naturalmente, todo meio de comunicação possui sua ideologia própria, suas regras internas, sua cartilha de produção, os assuntos que, a critério da edição, irão ser tratados, destacados ou amenizados, sua lógica de trabalho, a ótica pela qual todo texto presente em tal veículo deverá passar. Nada, que não seja adequado à “ideologia”, ao modelo, que determinado meio adota, poderá figurar em seus quadros. A linha adotada por Veja, é, inegavelmente, o tom direitista de análise. As mãos dadas com o establishment. A deturpação da filosofia marxista. A ridicularização da revolução – termos como “utopia anacrônica” figuram quase que semanalmente em suas páginas. O ataque, indiscriminado, a tudo que sirva aos seus interesses de persuasão. As mínimas brechas para que sua verdadeira face venha à tona são exploradas avidamente, como num exemplo que darei logo abaixo.

    Na primeira coluna da edição supracitada, “Ponto de Vista”, da escritora Lya Luft, intitulada “Tirem as crianças da sala”, trata-se sobre a vergonha da presente “crise” instalada em nosso país e de que tipo de reações ela suscita, logo no início, Lya diz: “melhor dizer que, sim, estamos neste período; então, como agir de modo eficaz para que a situação melhore dentro do possível? Isso é realismo político, que nos falta num Brasil em que se encontra uma utopia em cada esquina, uma ideologia para cada gosto: marxismo terceiro-mundista, cristianismo revolucionário, todas as formas de messianismo, nacionalismo desenvolvimentista e por aí vai.”

    Iniciada a sessão de ridicularização gratuita. Imaginem quais a sensações do leitor incauto, leigo no marxismo, diante dos recorrentes ataques de Veja. Eles sempre se limitam a abordá-lo pejorativamente, nunca sob a ótica filosófica, não podem explica-lo, porque isso destruiria com seus argumentos pífios – quando se têm argumentos.

    Na seção “Cartas”, a primeira mensagem reproduzida é a de Manoel Amâncio Feitosa Ramos, de Xique-Xique, Bahia, que diz o seguinte:“Veja mais uma vez presta um grande serviço ao país. Desvendou uma máfia que atuava no futebol (ele se refere a edição anterior da revista e a reportagem “Máfia do Apito”), como se já não bastasse o trabalho brilhante que a revista vem desenvolvendo na política ao longo dos anos (“Jogo sujo”, 28 de setembro). Como, por exemplo, o pontapé inicial para o impeachment de Collor, a denúncia de compra de votos para a reeleição de FHC, a quadrilha que atua no (des) governo de Lula, o mensalinho de Severino Cavalcanti. Veja e o Brasil são os grandes vitoriosos”.

    Esta carta, estrategicamente posicionada, é prolífica pois nos permite explorar algumas coisas: a exaltação indireta da revista (já que não foi feita pelo próprio veículo), a reivindicação de um papel fundamental ocupado por Veja na história do país, e, principalmente, o disfarce contido na frase “a denúncia de compra de votos para a reeleição de FHC”. O fato de Veja ter denunciado uma corruptela do governo FHC poderia servir de argumento para amortizar a acusação de “tucana” feita à revista. Ora, este enigma é simples de decifrar. A manipulação não pode ser descarada, Veja não pode estampar em suas páginas os dizeres “estamos a serviço da burguesia brasileira”. E a melhor forma de ocultar isto é denunciando as próprias falhas de seu grupo querido. Esta estratégia é tremendamente eficaz porquê, além de despistar a verdadeira ideologia da revista, a permite se auto-intitular (e passar para o leitor a idéia de) “idônea” e “implacável”. Contudo, o caso citado (corrupção no governo de Fernando Henrique), não originou nenhum escândalo de maiores proporções. E ninguém parece se lembrar do ocorrido.

    Ainda na seção cartas, é concedido o direito de resposta a Luís Antonio Giron, que declara: “quero esclarecer que o aparelho i-Pod, enviado aos jornalistas de música dos principais veículos da imprensa, inclusive para mim, colaborador da revista Época, foi devolvido à assessoria de imprensa da cantora Maria Rita, intacto. Meu trabalho como crítico sempre se pautou pela independência e jamais aceitei nenhum tipo de oferta em troca de minha liberdade de opinião. O cd Segundo (Warner) de Maria Rita é de ótima qualidade, e a cantora obteve na imprensa o espaço merecido.”

    Logo após, Veja indica para o leitor a reportagem na pág. 115. Vamos a ela. De título “O mensalinho da filha de Elis” – construção de um mau gosto impressionante – o texto insinua que Maria Rita, filha da cantora Elis Regina, e queridinha da mpb “nova geração”, precisou de “jabá” para que a divulgação de seu segundo disco fosse positiva. A gravadora Warner doou i-Pods, tocadores de mp3 da Apple, a última mania mundial, aparelhos que custam entre 600 e 1000 reais, para trinta críticos de grandes veículos da mídia nacional. Bem, a Warner tinha uma justificativa: o brinde era necessário porque o disco atrasou na fábrica e com ele os jornalistas que iriam entrevistar a cantora poderiam ouvir suas músicas de forma mais prática. A Veja cita isto, mas condena a prática, afirmando veementemente que se tratou apenas de uma maneira de tentar aliciar os jornalistas, e cita exemplos de que o i-Pod surtiu efeito. Praticamente todas as críticas em jornais e revistas brasileiras foram positivas, quando menos, foi adotado um tom conciliador, naquele estilo “é uma fase de transição”. Giron é citado na matéria de forma indireta, neste trecho “no caso do jornalista da Época, a Warner matou dois coelhos de uma cajada – deus! um clichê terrível! o redator – não creditado – não leu o manual? Como deixaram passar tal coisa? – ele escreveu uma matéria simpática na revista e outra mais elogiosa ainda na Bravo!, publicada pela editora Abril, o mesmo grupo de Veja.”

    Com relação ao pseudo-mea culpa da última frase, quando Veja critica seu próprio grupo editorial, resgato a técnica exemplifica na análise da primeira carta que fiz acima. Ela almeja afirmar com isso que, independente de outros deslizes de sua editora, a revista permanece como ilha inatingível de competência e seriedade. Tente não rir. Só para externar minha opinião, creio que a música de Maria Rita é, sim, muito boa. Ela peca apenas pelo excesso de “garbo e pompa” de sua interpretação, soando forçado demais.

    É óbvio que esta matéria de gosto duvidoso terá muito mais repercussão do que o direito de resposta de Giron. Aliás, é curioso notar que a resposta do jornalista foi publicada na mesma edição da reportagem, coisa que nunca acontece. Antes de ser algo positivo, isto expõe o frágil jornalismo praticado. Se a revista recebeu a retratação a tempo, nada seria mais natural do que limar a citação a Giron na matéria. Contudo, parece que a preguiça, o desleixo, e especialmente, a sede por criar polêmicas, foi muito maior que qualquer preocupação ética. Lastimável.

    Na seção “Radar”, de Lauro Jardim, temos o tradicional “sobe” e “desce”, pesando os acontecimentos da última semana pelo viés do sucesso ou fracasso. No quesito sobe está presente Aldo Rebelo, e a seguinte frase: “o deputado comunista foi eleito presidente da Câmara”. Não podem deixar de dar ênfase a comunista, nem adotar um tom mais adequado, como simplesmente citar PcdoB. Será que se o candidato eleito fosse de qualquer outro partido o tratamento dado seria semelhante? Ademais, tenho minhas dúvidas sobre o “comunismo” de Aldo Rebelo. É impensável que um comunista de verdade compactue com o lamaçal do governo Lula. E, na confusa política brasileira, recheada de siglas vazias e sem expressão, onde políticos trocam de partido indiscriminadamente, visando apenas as facilidades que irá conseguir para se eleger, é perigoso criar algum elo de criação muito forte entre a sigla e o seguidor, infelizmente.

    E falando em mudança de partidos….no texto “PT? Que PT?”, Mônica Weinberg retrata a debandada em massa do partido dos trabalhadores nos últimos dias do prazo para que isto fosse feito, salientado a saída de figuras históricas como Hélio Bicudo, Cristovam Buarque e Plínio de Arruda Sampaio. Plínio justificou-se dizendo que “o PT rendeu-se ao neoliberalismo e a política de privilégios aos estrangeiros”, linha seguida pela maioria de seus companheiros. Mônica desconfia – com razão – de tal argumento, e questiona o porque de isto ter sido feito só agora, mas sentencia “a debanda maciça de petistas neste momento, portanto, está longe de ser uma opção ideológica: é fruto, isto sim, do pragmatismo dos que não querem ser contaminados pela lama na qual a sigla chafurda hoje. E consulta o sociólogo Leôncio Martins Rodrigues, que finaliza: “A ideologia é uma máscara. O que está em questão é a sobrevivência política de cada um.”

    Dou toda razão para que a debandada seja analisada com cuidado, mas um motivo muito aceitável para que ela tenha ocorrido neste momento não é citado na matéria: as eleições do PT tinham acontecido recentemente, e a ala tida como “radical” – entre eles grande parte do que saíram na última semana – foi derrotada e não passaram para o segundo turno. Acho normal, que, não conseguindo mudar a sua sigla pelas vias normais, considerando que era a última chance para que isto acontecesse antes das últimas eleições, os insatisfeitos, muitos deles fundadores e, portanto, com uma ligação fortíssima com o PT, resolvessem, apenas obrigados, finalmente sair. Mas Veja não pode cogitar isto, é muito mais fácil joga-los todos na laia dos aproveitadores e agredir a ideologia que defendem.

    Em “Operação Saci” – mais um título desprezível – de Otávio Cabral, sobre a vitória de Aldo Rebelo, é dito: “com sua eleição para presidir a câmara, o deputado Aldo Rebelo, esse afável comunista que fez carreira como admirador da Albânia e do Saci-Pererê, deflagrou uma temporada de festas no arraial do governo”. Preciso comentar?

    Otávio segue, acertadamente, expondo a forma com que a eleição de Aldo Rebelo foi conseguida: em troca de cargos em órgãos públicos, liberação de verbas para deputados, enfim, afagos e concessões diversas a “aliados” sangue-sugas, numa abundância de práticas pouco recomendáveis. Mas, tristemente, muito ortodoxas. Tal coisa faz parte daquele famoso hall “situações que todos conhecem”. È prática recorrente, desde tempos imemoriais, em todos os partidos e em todas as épocas da política brasileira. O que, claro, não a isenta de ser reprovável. Só observamos o tratamento ainda mais ácido e incisivo com que tudo é descrito, porque se trata do PT e porque a esquerda, e qualquer tentativa de mudança social, tem que ser extirpada a qualquer custo. Ainda que o ParTido (créditos a Janus Mazursky) já tenha deixado de representar esta bandeira há muito tempo.

    A coluna de Tales Alvarenga, de nome “Erramos, senador”, é deveras suculenta. O senador em questão é Jorge Bonhaussen, do PFL. Aqui, qualquer cuidado é deixado de lado. “Erramos, senador” revela uma cumplicidade assombrosa, uma coerência de opinião entre dois “amigos”, que se confundem ao mesmo tempo. Os dois estavam errados. E, segundo Alvarenga, os dois estavam errados porque “a raça das formiguinhas socialistas não debandará. Na sua utopia anacrônica, as formigas falarão com as paredes. Mas continuarão por aí, esfregando ansiosamente suas patinhas, à espera do Grande Dia”.

    É só procurar com cuidado, que, pouco-a-pouco, sua verdadeira face vai se revelando sem máscaras. Eles esperavam que, diante da “crise” detonada, o socialismo fosse definitivamente aniquilado. Quanta ingenuidade! E, não sei o que o socialismo tem a ver com a “crise”, o PT, e tudo mais. Como já ressaltado infinitas vezes aqui no Duplipensar, por mim e por vários outros nos mais diversos veículos – vamos nos auto-citar – : “Qualquer nuance de ideologia revolucionária está a anos luz deste abismo medonho”.

    Nos assuntos diversos, quando trata do esporte, da cultura, da sociedade, comportamento, meio-ambiente e saúde, Veja é competente, faz o arroz com feijão sem maiores percalços e consegue identificar temas relevantes para o interesse de seu público. No entanto, quando acha qualquer brecha para nos gratificar com sua ideologia, o resultado é desastroso.

    E, finalmente, temos a cereja do bolo – sim, meus amigos, um clichê, tremendamente apropriado.

    Na seção “Notas”, onde é listado acontecimentos diversos da última semana, mortes, curiosidades, prisões, julgamentos, etc, encontramos o seguinte achado (reproduzido na íntegra):

    Encontrada uma tartaruga de água doce com duas cabeças, em Havana, Cuba. Os cientistas especulam que a anomalia se deva à poluição nas águas do Rio Almendares. Batizada de “Tina”, a Trachemys decussata tem pescoços e cabeças distintos, que se alimentam de forma independente. Biólogos farão um estudo completo das espécies que vivem no local para saber se há outros mutantes”. Tudo tranqüilo até agora, certo? Apenas uma nota cientifica normal, sem nenhum desvio. Calma, temos o gran finale:

    “A preocupação agora é que, se um dia esse tipo de mutação ocorrer em seres humanos cubanos, o regime castrista terá mais trabalho com a degola de dissidentes”.

    Aplauda de pé. Eu lhe peço. Essa mereceu!

    Agora recomponha-se. Novamente, tal trecho fala por si só.

    É impressionante a quantidade de “peculiaridades ideológicas” que podemos encontrar numa única edição desta revista. É chocante e lamentável, independente de qualquer coisa, profundamente lamentável, que a maior e mais influente revista do Brasil seja tão anti-jornalística e de conteúdo impróprio para pessoas inteligentes. Devorá-la para analisá-la é um mal do qual fui refém.

    Não termino este artigo satisfeito, nem feliz.

    É triste constatar que minha profissão é tão mal tratada, agredida e manipulada grotescamente. Que muitos leitores ficam reféns desta rapsódia repugnante.

    Um minuto de silêncio, por favor.

    Leia Mais

    Standard